12:42 19 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Imagem de arquivo

    Secretário de Temer sobre massacre em presídio: 'Tinha era que matar mais'

    © AP Photo / VICTOR R. CAIVANO
    Brasil
    URL curta
    Caos instalado: A crise no sistema penitenciário brasileiro (19)
    43415

    Secretário nacional da Juventude do governo Temer naturaliza um dos maiores massacres em presídios da história do Brasil e ainda defende "uma chacina por dia".

    Foram 56 presos mortos na rebelião que durou mais de 17 horas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM), no domingo (1º), se tornando o terceiro maior massacre em presídios da história do Brasil. Mas isso não parece ser motivo de grande preocupação para o O secretário nacional da Juventude, Bruno Julio (PMDB). Segundo ele, "tinha era que matar mais".

    "Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana", disse ele, ao comentar a rebelião em Manaus que resultou na morte de 56 presos. 

    Filho do ex-deputado federal Cabo Júlio (PMDB), atualmente deputado estadual em Minas, Bruno Júlio também atua como presidente licenciado da juventude do PMDB.

    Em entrevista ao Huffpost Brasil, o secretário comparou o massacre em Manaus com a chacina que acontecei em Campinas (SP) durante o Ano Novo, em que um homem matou 12 pessoas, das quais 9 eram mulheres. 

    "Isso que me deixa triste. Olha a repercussão que esse negócio que o presídio teve e ninguém está se importando com as meninas que foram mortas em Campinas. Elas, que não têm nada a ver com nada, que se explodam. Os santinhos que estavam lá dentro, que estupraram e mataram: Coitadinhos, oh, meu Deus, não fizeram nada! Para, gente! Esse politicamente correto que está virando o Brasil está ficando muito chato. Obviamente que tem de investigar, tem que ver…", afirmou. 

    Em junho de 2016, foi revelado que Bruno Júlio é investigado por agredir mulher em Belo Horizonte, além de ser acusado de lesão corporal pela ex-mulher e de assédio sexual por uma funcionária.

    O presidente Michel Temer também não conseguiu ficar longe de polêmicas na repercussão sobre o caso de Manaus. Ele afirmou que o massacre foi um "acidente pavoroso". Ao receber muitas críticas pelo comentário, Temer tentou contornar afirmando que usou o termo "acidente" como sinônimo de "tragédia" e "perda". 

    Tema:
    Caos instalado: A crise no sistema penitenciário brasileiro (19)

    Mais:

    Governo de Roraima se diz surpreso com massacre de presos em Boa Vista
    ONU pede investigação imediata do massacre no presídio de Manaus
    Brexit e massacre de Orlando estão entre termos mais buscados no Google em 2016
    Sting reabre Bataclan um ano após o massacre terrorista em Paris
    Tags:
    rebelião, chacina, presídio, massacre, PMDB, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik