08:38 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Kyriakos Amiridis, embaixador grego no Brasil, com a sua esposa Françoise Amiridis

    Polícia suspeita de crime passional no desaparecimento do embaixador grego

    © Foto: Página oficial do Facebook da embaixada grega no Brasil
    Brasil
    URL curta
    1701

    A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense está investigando as suspeitas de crime passional no caso do embaixador grego no Brasil, Kyriakos Amiridis, de 59 anos, desaparecido desde o início da semana.

    Desde o final da noite da quinta-feira um policial militar, lotado em uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), chegou à Delegacia para prestar depoimento e até a manhã desta sexta-feira não havia sido liberado nem tampouco divulgada sua identidade. Por volta das 10 horas da manhã, quem chegou à Delegacia foi a esposa do embaixador, Françoise Amiridis, também para prestar depoimento.

    Na quinta-feira, policiais da Baixada Fluminense localizaram um carro branco, alugado pelo diplomata, sob um viaduto no Arco Metropolitano. Dentro do veículo havia um corpo carbonizado que os policiais supõem ser do embaixador. O cadáver foi levado para necrópsia e identificação no Instituto Médico Legal.

    Kyriakos Amiridis conhecia bem o Rio de Janeiro, onde foi cônsul geral da Grécia entre os anos de 2001 e 2004, e também conhecia a região da Baixada Fluminense, pois a família de sua esposa possui residência num condomínio em Nova Iguaçu. O chefe da missão diplomática grega em Brasília estava de férias no Rio e no início da semana saiu sozinho, dirigindo um veículo pela Baixada Fluminense. A esposa Françoise, ao registrar o desaparecimento, informou aos policiais que Amiridis tinha o hábito de sair só, mas sempre se comunicava com a família, o que não aconteceu esta semana.

    Na Embaixada da Grécia em Brasília, a informação é de que está sendo aguardado um comunicado oficial do Ministério das Relações Exteriores do Brasil e que, por enquanto, tudo que os funcionários sabem é o que está divulgado pela mídia. A Embaixada também revelou à Sputnik Brasil que um funcionário do Governo grego está sendo aguardado no Rio de Janeiro para acompanhar as investigações policiais.

    Segundo o experiente Embaixador Marcos de Azambuja, a Embaixada da Grécia está adotando o procedimento correto, ditado pelas normas diplomáticas:

    "Todas as informações oficiais que dizem respeito a fatos não convencionais envolvendo chefes de missões diplomáticas devem ser comunicadas às embaixadas, em primeiro lugar, pelo Ministério das Relações Exteriores, órgão ao qual o embaixador se reporta no Brasil."

    Mais:

    Embaixador da Grécia no Brasil está desaparecido há três dias
    Tags:
    embaixador, desaparecido, Kyriakos Amiridis, Nova Iguaçu, Brasil, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik