09:57 16 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Polícia Civil decide não parar no réveillon

    Perseguição policial no Rio agora é por cestas básicas

    Sinpol/Divulgação
    Brasil
    URL curta
    2170340

    Os turistas hospedados no Hotel Copacabana Palace, no Rio, se surpreenderam com o número de policiais civis que integravam a manifestação, ocorrida na terça-feira, 27, em frente ao hotel. Junto com outros sevidores estaduais, eles pediam doações de alimentos não perecíveis para ajudar o funcionalismo público há dois meses sem receber salários.

    Juntos com outras categorias que integram o Movimento Unificado dos Servidores Públicos (MUSPE), os policiais exibiarm cartazes e soltaram fogos para chamar a atenção dos visitantes. Em meio a um quadro de calamidade financeira, o governo do Estado ainda não pagou o salário de novembro e nem o 13º aos servidores. Para tentar amenizar essa situação, um grupo de magistrados do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) se mobilizou e conseguiu reunir R$ 25 mil em doações para parte dos 460 mil servidores estaduais. A ação se soma a de outras entidades, como a Polícia Civil, que já reuniram cerca de 150 cestas básicas.

    A questão da segurança também é uma preocupação com a proximidade do réveillon no Rio, em especial na Praia de Copacabana, onde são esperadas 2 milhões de pessoas na virada do dia 31. A Sputnik Brasil conversou com o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio de Janeiro (Sinpol), Fernando Bandeira, sobre como será o esquema de segurança por parte da categoria. O dirigente informou que a assembléia, realizada na noite de terça-feira, descartou a paralisação de 24 horas prevista para o dia 31, mas concordou com o estabelecimento de uma Operação Tartaruga.

    "A orientação é ir trabalhar, mas não fazer serviço mais nenhum, suspender as investigações, fazer só o indispensável, caso de homicídio, de flagrantes. Suspender o trabalho do dia a dia é uma maneira de protestar."

    Bandeira disse que em janeiro haverá nova reunião de diretoria para discutir a decretação de greve durante o Carnaval, em final de fevereiro.

    "Já pedimos por duas vezes uma audiência com o governador Pezão, já conversamos com o presidente da Assembléia (Jorge Picciani) e acionamos o Judiciário para ver o pagamento dos servidores da polícia."

    Em relação ao apoio dado pela categoria àdoação de alimentos, o presidente do Sinpol afirma que,  para os policiais civis da ativa e os aposentados, a situação não é tão grave assim como é a das pensionistas. 

    "O atraso no pagamento do 13º salário para os policiais da ativa e os aposentados foi ruim, mas não tão ruim como os das pensionista, para as quais não foram pagos os salários de novembro, dezembro nem o 13º. Vão começar a pagar agora em janeiro em cinco parcelas. Essa gravidade nos preocupa muito, e o sindicato está se mobilizando para trazer mais alimentos para as pensionistas terem alguma coisa para comer. Nunca houve uma crise tão grave no Estado do Rio de Janeiro como a atual."

    Mais:

    Servidores, TJ e MP protestam contra pacote de corte de gastos do governo do Rio
    Secretário de Fazenda diz que crise no Rio será ainda maior em 2017
    Tags:
    ajuda, parcelamento, atraso, salários, manifestação, servidores, Hotel Copacabana Palace, TJ-RJ, MUSPE, ALERJ, Sinpol, Luiz Fernando Pezão, Fernando Bandeira, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik