22:34 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Governador Luiz Fernando Pezão com agentes da Polícia Militar do Rio de Janeiro (arquivo)

    Fundador do Bope comenta aumento de mortes nas ações da PM do Rio

    Shana Reis / GERJ
    Brasil
    URL curta
    942022

    O ISP – Instituto de Segurança Pública divulgou dados sobre a violência no Rio de Janeiro, revelando que ao longo do ano de 2016 cresceram dois índices em relação a 2015: o de policiais militares mortos por criminosos (56,5%) e o de criminosos mortos por PMs (32,3%).

    Para comentar os dados divulgados pelo ISP, Sputnik Brasil convidou o coronel reformado da Polícia Militar do Rio de Janeiro Paulo César Amêndola, criador do Bope (Batalhão de Operações Especiais da PM) e, a partir de 1 de janeiro de 2017, secretário municipal de Ordem Pública do Rio de Janeiro, convidado para o cargo pelo prefeito eleito Marcelo Crivella. O Coronel Amêndola sustenta que, apesar dos números apontados pelo ISP, a Polícia não pode diminuir o combate à criminalidade.

    "Isso não é difícil de entender. Confrontos entre policiais militares e marginais aumentaram no Rio de Janeiro porque os marginais estão numa audácia muito grande, porque tiveram ocupação nas favelas que eram pontos preferenciais da venda de drogas por parte das UPPs – Unidades de Polícia Pacificadora", afirma Paulo César Amêndola. "São as comunidades da Providência, Rocinha, Alemão, etc. Eram locais em que os traficantes tinham lucros fantásticos com a venda de drogas. Você pode me perguntar: isso ainda existe? Existe, mas a presença das UPPs reduziu muito o poder dos traficantes de agir com a sua proteção armada."

    O fundador do Bope explica: "Então, o que acontece? Eles, os traficantes, estão reagindo, resistindo e se confrontando com os policiais, na tentativa desesperada de manter um nível mínimo de lucratividade com a venda de drogas. Qual o resultado disso? A PM armada, os marginais armados reagindo a tiros e não pretendendo abandonar o seu teatro de operações, o resultado só pode ser morte. Nesse confronto armado, letal, a consequência natural é a morte de um lado e de outro. A Polícia Militar cumprindo a lei e os marginais armados se confrontando com os agentes da lei. O resultado é morte. A Polícia tem de cumprir a lei, independentemente de o marginal vai ficar ferido ou se vai morrer."

    Paulo César Amêndola também disse que, ao assumir a Secretaria Municipal de Ordem Pública do Rio de Janeiro, uma de suas primeiras preocupações será a de buscar maior número de operações integradas entre a Guarda Municipal, que estará sob sua competência, e a Secretaria Estadual de Segurança Pública. Na opinião de Amêndola, agentes municipais e estaduais da Segurança Pública precisam ter atuação harmônica e integrada, em prol da população.    

    Mais:

    PM reprime com violência manifestação contra cortes no centro do Rio (VÍDEOS)
    Pesquisa: 70% dos brasileiros acha que policiais cometem excessos de violência
    Violência da PM paulista agora vai doer no bolso do Estado
    PM reprime com violência ato pacífico contra PEC 241 no Rio (VÍDEO)
    Violência no Rio: Bandidos tentam desmoralizar Polícia na guerra do tráfico
    Tags:
    mortes, polícia, ISP, BOPE, Paulo César Amêndola, Marcelo Crivella, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik