13:51 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Grades Marinha Rio

    Marinha faz as pazes com o Rio

    © Sputnik/ Mario Russo
    Brasil
    URL curta
    126722

    Marinha e Prefeitura do Rio voltaram a fumar o cachimbo da paz. Depois da polêmica com a decisão do 1º Distrito Naval de gradear parte do trecho da Orla Conde — o novo xodó turístico do carioca, na Praça Mauá, no Centro —, a Marinha retirou as grades nesta quarta-feira, 21, mantendo apenas o bloqueio nas imediações do complexo do Arsenal.

    A solução aconteceu após telefonema do prefeito eleito, Marcelo Crivella, ao comandante da Marinha, almirante Leal Ferreira. As grades restringiam a cirulação de pessoas no trajeto entre o Museu do Amanhã, na Praça Mauá, e a Casa França Brasil, na Candelária. Em algumas partes do trajeto, parte do gramado, bancos públicos e bicicletários foram fechados pela barreira. Após críticas da imprensa e do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), o equipamento foi retirado.

    A controvérsia, contudo, ainda está longe de ser resolvida. A Marinha alega que a área é sua, enquanto a Prefeitura afirma há um acordo de cessão do espaço. Além disso, a Prefeitura diz a Marinha não cumpriu um acordo firmado antes da obra em 2014: a Marinha liberaria a área para construir a nova orla e, em contrtapartida, receberia melhorias no 1º Distrito Naval, um novo restaurante e um estacionamento subterrâneo. Pelas contas da Prefeitura, só falta entregar o acesso ao estacionamento, já concluído.

    A Marinha, por sua vez, diz que cedeu, temporariamente, uma área próxima à Igreja da Candelária, para instalação do canteiro de obras para construção do Túnel Marcelo Alencar, e que após os Jogos Olímpicos e Paralímpicos deste anom deveria ser devolvida devidamente urbanizada, com a colocação de cercadura colonial nos limites originais, e que tal espaço nunca fez parte do projeto Orla Conde.

    Segundo nota oficial da Marinha, "o que se configura no momento é que, no centro do que um dia foi o Boulevard Olímpico, existe hoje uma obra inacabada da Prefeitura, onde será instalado o estacionamento subterrâneo, aguardando que a contrapartida municipal seja integralmente cumprida, assim como a finalização do refeitório, ainda não concluído."

    Ainda segundo a nota da Marinha, a obra de construção do citado estacionamento está abandonada pela Prefeitura. Conforme os acordos firmados com a Prefeitura do Rio de Janeiro, a Marinha é responsável pela conservação, gestão e segurança de toda a servidão de passagem, o que incui o espaço onde estão posicionados os gradis que circulam a orla e evitam a queda de transeundes no mar. Tais gradis foram colocados, por iniciativa da Marinha, logo no início dos Jogos, como medida de segurança à população, visto que o proejto apresentado pela Prefeitura não incluía dispositivo de proteção ao usuário", destaca a nota da Marinha.

    A Sputnik Brasil solicitou entrevista de um representante do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, mas não obteve retorno até o fechamento dessa edição.

    Mais:

    Adriana Lima acende pira de celebração no Boulevard Olímpico (VÍDEO)
    Boulevard Olímpico vai unir arte e esporte em happy hour de graça durante Jogos Rio 2016
    Tags:
    segurança, acordo, turismo, polêmica, grades, Arsenal de Marinha, Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), Marinha, Casa França-Brasil, Museu do Amanhã, Boulevard Olímpico, Almirante Leal Ferreira, Marcelo Crivella, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik