01:15 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    241
    Nos siga no

    Relatório da Consult Risk sobre avaliação de riscos políticos nos países latinoamericanos coloca o Brasil em patamar médio ao lado de México e Argentina. O estudo admite que a piora do cenário, com a série de escândalos envolvendo iniciativa privada e governo, tem impacto na economia, mas ainda não a ponto de deterioração do ambiente regulatório.

    "Estamos provavelmente nos encaminhando para um recrudescimento das incertezas políticas, principalmente com o potencial da Lava Jato de implicar membros do governo e minar sua capacidade de aprovar medidas de ajuste e até a sua própria permanência no poder", sublinha o relatório.

    Para o diretor da RC Consultores, José Valter, o Brasil vive um momento político bastante conturbado, com os cenários políticos e econômicos  se influenciando mutuamente. "Acho que um alimenta o outro em proporções diferentes. O ambiente político atual influencia negativamente a economia."

    Segundo Valter, logo após o impeachment da ex-presidente Dilma, houve uma melhora generalizada dos ânimos. Ao longo dos meses, porém, esses índices de confiança começaram a se deteriorar, e não foi só porque a economia não está reagindo. 

    "As medidas que eles tomaram já eram de médio prazo. O que fez acontecer essa deterioração nos índice de confiança foi o momento político pelo qual o país passa. Isso pode continuar prejudicando o crescimento porque medidas necessárias passam a não ser tomadas, até por que a gente não sabe até que ponto todo esse processo da Lava Jato vai acabar."

    Com referência ao aumento da reprovação do governo Temer detectado pela última pesquisa Datafolha — em julho esse índice era de 30% e em dezembro subiu para 51% —, o diretor da RC Consultores concorda que a desaprovação de fato existiu. Ele observa que a pesquisa mostra até um maior ceticismo da população que prevê dificuldades maiores da economia em 2017.

    "Se você for ver as medidas passadas no Congresso, vai ver que a aprovação da PEC 55 foi feita com menos votos de senadores do que no primeiro turno. O problema é que entre o primeiro turno e o segundo turno muitos senadores não apareceram para votar. Isso prova, por mais que o governo esteja dizendo que a votação foi antecipada e eles chegaram atrasados, que não é bem assim. O governo pode começar, com essa deterioração política, a ter mais dificuldades de aprovação dessas agendas que ele tenta colocar, porque de fato cabe discussão."

    Segundo Valter, mexer na aposentadoria não é algo elementar em lugar nenhum do mundo. É necessário no Brasil, mas o projeto ainda vai entrar em discussão.

    "Olhando de hoje, esse ambiente não tem como melhorar. Vai piorar? Não sei. Mas melhorar não consigo enxergar no curto prazo uma melhora disso."

    Mais:

    Mesmo alvo da Lava Jato, Jucá é o novo líder do governo no Congresso
    Governo não acredita que protestos influenciem na aprovação de reformas no Congresso
    Tags:
    riscos, governo, pesquisas, economia, reformas, congresso, Lava Jato, RC Consultores, Consult Risk, Michel Temer, José Valter, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar