15:18 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Manifestações no Rio de Janeiro contra programa de austeridade do governo brasileiro

    Departamento de Estado dos EUA emite alerta de violência para manifestações no Rio

    © AP Photo/ Silvia Izquierdo
    Brasil
    URL curta
    668721

    O Departamento de Estado dos EUA alertou os cidadãos norte-americanos a evitarem manifestações perto da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), advertindo que os protestos na área têm se tornado extremamente violentos.

    Os norte-americanos no Brasil estão sendo alertados a evitar as manifestações que estão sendo convocadas desde a semana passada, em frente à Alerj, contra as medidas de austeridade propostas pelo governo estadual. 

    A truculência policial e os confrontos com os manifestantes foram tão intensos na semana passada que repercutiram internacionalmente. Nesta segunda, o Departamento dos EUA emitiu um comunicado veiculado pelo Consulado Geral do país no Rio de Janeiro:

    "Os cidadãos norte-americanos devem evitar os protestos e as áreas onde grandes reuniões [de manifestantes] possam ocorrer", diz o alerta. "Até mesmo manifestações ou eventos que pretendem ser pacíficos podem se transformar em confronto e possivelmente escalar em violência". 

    ​O aviso foi emitido após as convocações nas redes sociais sobre o ato planejado para esta segunda-feira.

    Mais:

    'Pacote de maldades' enfrenta resistência dos servidores na Alerj (FOTOS, VÍDEO)
    Alerj adia votação sobre bilhete único, mas aprova alguns projetos do pacote fiscal
    Exclusivo: Freixo culpa 'pacote horroroso' do governo do Rio por guerra em frente à Alerj
    Ato vira cenário de guerra na porta da Alerj (VÍDEO)
    Protesto na Alerj critica corte de Programas Sociais no Rio
    Tags:
    polícia, pacote de maldades, cortes, violência, manifestações, protestos, americanos, turistas, advertência, alerta, viagem, PM, ALERJ, Consulado Geral dos EUA, Departamento de Estado, Rio de Janeiro, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik