14:01 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente Michel Temer durante Sessão Solene de Encerramento da XI Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

    Mais da metade dos brasileiros considera governo Temer 'ruim ou péssimo'

    Beto Barata/PR
    Brasil
    URL curta
    21319143

    Pesquisa foi realizada pelo Datafolha antes mesmo das delações da Odebrecht implicarem o presidente e seu núcleo duro no Senado e na Câmara.

    O Instituto Datafolha divulgou hoje pesquisa de opinião me mostra nível de rejeição recorde ao governo de Michel Temer (PMDB).

    Para 51% dos entrevistados, a gestão de Temer é "ruim ou péssima". 34% consideram o governo "regular", enquanto 10% classificam como "bom ou ótimo". Os que não souberam ou não quiseram responder foram 5%.

    O levantamento foi realizado na quarta-feira (7) e quinta-feira (8), antes de se tornar pública a delação do ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que cita Temer e ministros do núcleo do governo. 2.828 pessoas com mais de 16 anos foram ouvidas. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

    O instituto também quis saber dos entrevistados se Temer está fazendo um governo igual, melhor ou pior que a antecessora, a ex-presidente Dilma Rousseff. 40% dizem que está pior. 34% acreditam que está tudo igual, enquanto 21% acreditam que está melhor. Os mesmos 5% não souberam ou não quiseram responder.

    Os números representam uma escalada de 9 pontos percentuais na taxa de rejeição do presidente.

    Mais:

    Temer nega nome de Imbassahy para a Secretaria de Governo e alega erro de comunicação
    Ministro do STF cobra instalação da comissão de impeachment de Temer na Câmara
    Maduro afirma que Temer é pior que Pinochet e o chama de sicário
    Deputados do PCdoB e do PT explicam pedido de impeachment contra Temer
    Tags:
    PMDB, Odebrecht, Instituto DataFolha, Cláudio Melo Filho, Dilma Rousseff, Michel Temer
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik