09:49 22 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Renan Calheiros com Jorge Viana, primeiro-vice-presidente do Senado

    Senadores avaliam consequências de afastamento de Renan Calheiros

    Jonas Pereira/Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    402

    A Advocacia do Senado Federal entrou com um mandado de segurança nesta terça-feira (6) com pedido de liminar e um agravo regimental, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), contra a decisão de caráter liminar feita pelo ministro Marco Aurélio Mello, que afastou o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) da Presidência da Casa.

    Presidente do Senado Federal Renan Calheiros
    Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
    Marco Aurélio Mello atendeu a um pedido da Rede Sustentabilidade, com base em um julgamento interrompido pelo próprio Supremo, que impede que ocupantes de cargos na linha sucessória da Presidência da República respondam a ação penal. 

    O mandado de segurança assinado pelo advogado-geral do Senado, Alberto Cascais, argumenta que o afastamento de Calheiros vai trazer "enorme risco para a manutenção do andamento normal dos trabalhos legislativos", destacando como por exemplo, a votação em segundo turno da proposta de emenda á Constituição, Pec 55, que propõe um teto de gastos para a União, que está marcada para acontecer no dia 13 de dezembro.

    No Congresso, senadores avaliam as consequências do afastamento do presidente do Senado e a entrada do petista, Jorge Viana, que ocupará o lugar de Renan Calheiros até fevereiro de 2017, quando um novo presidente deverá ser eleito.

    Diversos senadores foram até a residência oficial de Calheiros para prestar apoio após a liminar do ministro Marco Aurélio Mello. O líder do governo no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) criticou que a decisão de um único representante do STF, vai criar uma grande instabilidade política. O senador acredita que o Supremo deveria se reunir para decidir sobre o afastamento de Renan Calheiros.

    "Eu acho que não é bom, que o presidente do Senado seja afastado especialmente nessas condições de uma liminar. Uma liminar é uma decisão provisória e é preciso que o Supremo Tribunal Federal no seu plenário conjunto dos seus ministros resolvam essa matéria de uma maneira definitiva."

    Já o líder da Minoria, senador Lindbergh Farias (PT/RJ) avalia que mesmo com uma decisão em definitivo por parte do Supremo, o Senado não tem condições de manter a votação em segundo turno da Pec do teto de gastos para o dia 13 de dezembro.

    "Com essa decisão, o Senado Federal não tem condições de votar a PEC 55. Vai assumir a Presidência Jorge Viana, nós vamos conversar com ele e defender que ele desmarque a votação dessa PEC. Não dá para o Senado achar que não está acontecendo nada. Nós achamos que esta decisão inviabiliza a votação dessa PEC."

    Porém,  para o vice-presidente do Senado e líder do governo no Congresso Nacional, senador Romero Jucá (PMDB-RR) a votação em segundo turno da PEC 55 faz parte de um acordo previamente estabelecido entre todos os partidos, e que independe de quem esteja presidindo a Casa.  "Quanto a questão das votações, existe um calendário acertado com os líderes, e esse calendário será respeitado independente de quem esteja presidindo a sessão, se é o presidente Renan, se o senador Jorge Viana ou se sou eu."

    No primeiro turno de votação da PEC 55, a proposta foi aprovada com 61 votos favoráveis e 14 contrários. Além da proposta do Teto de Gastos, o governo espera ainda aprovar este ano o orçamento de 2017. 

    Tags:
    presidência do Senado, PEC 55, afastamento, votação, Supremo Tribunal Federal (STF), Senado Federal, Lindbergh Farias, Aloysio Nunes Ferreira, Jorge Viana, Romero Jucá, Renan Calheiros, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik