23:44 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Urna eletrônica

    Movimento Quero Prévias é novo fenômeno nas redes sociais

    José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    3497

    O desencanto crescente da população com as medidas tomadas pelo Congresso, a proliferação de escândalos políticos e o aumento de votos brancos, nulos e abstenções nas eleições municipais de outubro — em várias cidades a soma desses três foi superior a dos votos aos candidatos vencedores — fazem crescer nas redes sociais, o movimento Quero Prévias.

    Inspirado em experiências bem sucedidas em outros países, como o Frente Amplio (Uruguai), Notre Primaire (França) e Primeras Primarias Ciudadanas (Chile), o Quero Prévias faz um aplo público em defesa das prévias internas para definir nos partidos as candidaturas nas eleições de 2018. O movimento objetiva reaproximar a sociedade do debate político e defende uma agenda de direitos e democracia como conquista fundamental da sociedade brasileira. Nas redes sociais, artistas e intelectuais se somam às crescentes adesões à iniciativa

    A Sputnik Brasil ouviu Warley Alves, produtor cultural, ativista e porta-voz do Quero Prévias.

    "O movimento surge como tem surgido quase todas as propostas políticas nos últimos tempos, da necessidade de mais participação. Essse ano, logo após as eleições municipais, a gente percebeu que a grande derrotada foi a participação política pela quantidade de votos nulos, brancos. Há uma necesidade de reaproximar as pessoas do debate político Após a reforma política que diminuiu tempo de campanha, o debate ficou muito raso."

    Para Alves, o principal objetivo não é nem a escolha de um candidato único ou de dois ou três que representem esse campo. A principal contribuição que o movimento pode dar, segundo ele, é possibilitar que se construa um programa que dialogue com o Brasil e toda a complexidade de nosso país, com todas as inteligências para um projeto de país.

    Alves diz que não existe um financiamento do movimento. 

    Urna eletrônica
    José Cruz/Agência Brasil

    "O que teve até agora foi a compra de um domínio para o site e quem bancou os R$ 40 foi um dos integrantes do movimento. A ideia é depender o mínimo possível de financiamento. Se houver necessidade, a opção será pelo colaborativo."

    Quanto aos critérios para definição das propostas, Alves diz que se buscou dialogar com alguns partidos que englobam o campo que o Quero Prévias abarca. Esse campo foi determinado a partir de três valores fundamentais: as lutas por mais democracia, mais direitos e mais igualdades. 

    "O que estamos propondo aos partidos é que eles se abram e possam escolher um candidato que represente o nosso campo, mas ainda não chegou o momento se os partidos vão decidir participar ou não." 

    Segundo o prota-voz, as propostas no site (www.queroprevias.org.br) já devem ter mais de sete mil assinaturas. No Telegram, há um grupo com 1.500 pessoas fazendo debate diário, e um outro grupo de quase 500 pessoas no aplicativo Slack, o núcleo diretamente envolvido na divulgação e no trabalho do movimento, fazendo reuniões pelo país, cuidando do site, da página no Facebook, acessando coletivos e movimento, entre outras funções. Há também grupos por cidades e já formados em São Paulo, no Rio de Janeiro, Recife, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre.

    "Temos tentado evidenciar bastante que o grupo não tem liderança, não tem um núcleo de direção. No Quero Prévias você chega, se apropria da ideia e faz as coisas, depois comunica os resultados das coisas que você propôs." 

    Mais:

    Após manifestações, especialistas sugerem que se pense no país e não nos partidos
    Movimentos sociais começam a mudar estratégia de protestos contra o governo
    Tags:
    prévias, partidos, debate, participação, eleições, redes sociais, Movimento Quero Prévias, Warley Alves, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar