22:11 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Renan Calheiros conversa com jornalistas em Brasília, em 29/06/16

    STF afasta Renan da presidência do Senado

    Jane de Araújo/Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    47254
    Nos siga no

    Em decisão liminar, o ministro Marco Aurélio Mello entendeu que, por ser réu, Renan Calheiros não pode estar na linha de sucessão da Presidência da República.

    Presidente do Senado Federal Renan Calheiros
    Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
    O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello concedeu liminar nesta segunda-feira (5) para afastar Renan Calheiros (PMDB) da presidência do Senado.

    Atendendo a um pedido da Rede Sustentabilidade, Marco Aurélio entendeu que como Renan Calheiros é réu no Supremo, não pode continuar no cargo em razão de estar na linha sucessória da Presidência da República. Na semana passada, o plenário do Supremo decidiu, por oito votos a três, abrir ação penal e tornar Renan réu pelo crime de peculato por denúncia de que a pensão da filha dele era paga por lobistas.

    "Defiro a liminar pleiteada. Faço-o para afastar não do exercício do mandato de Senador, outorgado pelo povo alagoano, mas do cargo de Presidente do Senado o senador Renan Calheiros. Com a urgência que o caso requer, deem cumprimento, por mandado, sob as penas da Lei, a esta decisão", afirma o ministro no despacho.

    No mês passado, o STF começou a julgar ação apresentada pela Rede sobre se um réu pode estar na linha sucessória da Presidência. O julgamento foi interrompido depois que o ministro Dias Toffoli pediu vista do processo e não tem data para voltar a acontecer. Antes disso, seis outros ministros votaram pelo impedimento de réus de assumirem cargos das presidências da Câmara e do Senado.

    Mais:

    Opinião: ‘Papel do Supremo Tribunal Federal é garantir a ordem constitucional’
    STF decide se Renan Calheiros pode ficar na linha sucessória da Presidência da República
    Tags:
    Rede Sustentabilidade, Câmara dos Deputados, Senado Federal, Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, Marco Aurélio Mello, Renan Calheiros, Brasília
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar