03:15 02 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Queda do avião com Chapecoense (73)
    211
    Nos siga no

    Sócio-torcedor da Chapecoense conversou com a Sputnik Brasil sobre as homenagens às vítimas da tragédia neste sábado (3).

    O sócio-torcedor da Chapecoense, profissional de Marchandising, Daniel Pelisser, disse que apenas neste sábado (3), com a cerimônia fúnebre das vítimas do acidente de avião da Chapecoense, é que começou "a cair a ficha" sobre a perda dos atletas e membros da delegação do clube. 

    “É muito difícil exprimir em palavras o que estamos sentindo desde a tragédia de 29 de novembro. Parece que só hoje, sábado, 5 de dezembro, com a cerimônia e o velório na Arena Condá, que a ficha caiu para nós, moradores de Chapecó e torcedores da Chapecoense", disse Daniel Pelisser em entrevista à Sputnik Brasil.  

    O torcedor da Chapecoense destacou o carinho que o clube vem recebendo após a tragédia. 

    "Para se ter uma ideia de como este clube é querido e se tornou ainda mais querido: até a tragédia, éramos 9 mil sócios-torcedores. Agora, já somos mais de 22 mil”, observou. 

    O avião da companhia aérea LaMia, que levava a delegação da Chapecoense, sofreu um acidente por falta de combustível na madrugada da última terça-feira (29), matando 71 pessoas. Seis sobreviveram. 

    O funeral foi realizado neste sábado (3) na cidade de Chapecó. A cerimônia contou com a presença de autoridades e milhares de pessoas que foram à Arena Condá prestar as últimas homenagens às vítimas.

    Tema:
    Queda do avião com Chapecoense (73)

    Mais:

    Apoiador do Chapecoense: a tristeza ainda é muito grande
    Funcionário da Chapecoense destaca solidariedade e reerguimento do clube após tragédia
    Funcionária da AASANA é denunciada por não reportar mudanças em voo da Chapecoense
    Acompanhe o funeral dos atletas da Chapecoense
    Tags:
    despedida, tragédia, avião, acidente, funeral, autoridades, cerimônia, LaMia, Chapecoense, Medellín, Brasil, Chapecó
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar