02:10 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Marcelo Odebrecht

    Por acordo com Ministério Público, Marcelo Odebrecht pode deixar a prisão no ano que vem

    © REUTERS / Rodolfo Burher
    Brasil
    URL curta
    420
    Nos siga no

    Executivo terá progressão da pena se o acordo for homologado pelo Supremo Tribunal Federal.

    O ex-presidente da empreiteira Odebrecht Marcelo Odebrecht deve deixar o presídio no final de 2017, caso o acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal (MPF) seja homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A informação é do G1.

    Marcelo Odebrecht foi condenado a 19 anos e 4 meses de prisão e, a princípio, se recusava a colaborar com as investigações da Lava Jato. O executivo e os advogados dele, porém, negociaram os termos que incluem redução da pena para dez anos, sendo dois anos e meio em regime fechado.

    Como o ex-presidente da empreiteira já cumpriu um ano e meio de prisão, ele poderia deixar a cadeia daqui a um ano para cumprir mais dois anos e meio de pena em regime domiciliar. Marcelo então deve cumprir mais dois anos e meio da pena em regime semiaberto e só então, mais dois anos e meio no regime aberto.

    Ontem, 77 executivos e ex-executivos da empresa também firmaram acordos de delação premiada. Estima-se que as denúncias feitas pelos delatores deem origem a novas fases da Lava Jato até o ano que vem. Pelo menos 200 políticos de 24 partidos podem estar envolvidos em esquemas de corrupção com a empreiteira.

    Mais:

    Executivos da Odebrecht começam a assinar acordos de delação premiada
    Para jurista, caso da Odebrecht revela corrupção induzida pelo Estado no Brasil
    Odebrecht afirma ter pago caixa dois a Serra através de conta na Suíça
    Ministro do STF determina desbloqueio de contas de Marcelo Odebrecht
    Odebrecht: Senadores divergem se denúncias de caixa 2 para Temer modificam impeachment
    Tags:
    Operação Lava Jato, Supremo Tribunal Federal, Ministério Público Federal, Marcelo Odebrecht
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar