12:20 08 Dezembro 2016
Ouvir Rádio
    Stand da Odebrecht na LADD 2015

    Emilio Odebrecht assina acordo de delação premiada

    VANDERLEI ALMEIDA / AFP
    Brasil
    URL curta
    9294100

    Outros 77 executivos e ex-executivos também entraram em acordo com o Ministério Público Federal; delações podem comprometer 200 políticos de 24 partidos.

    O filho do fundador da empreiteira Odebrecht, investigada na Operação Lava Jato, assinou hoje (1) o acordo de delação premiada.

    O ato foi seguido por outros 77 executivos e ex-executivos da empresa, que também tiveram os acordos homologados com o Ministério Público Federal.

    O processo de assinaturas deve ser concluído apenas nesta sexta devido ao volume de documentos. O ex-presidente da empresa e alvo da delação mais aguardada, Marcelo Odebrecht, deve assinar o acordo dele em Curitiba, onde segue preso desde o ano passado.

    A empresa divulgou nota em que admite ter participado de "práticas impróprias em sua atividade empresarial" e classificou os casos de corrupção de "erro". A Odebrecht também homologou o acordo de leniência, se comprometendo a devolver cerca de R$6,8 bi para os cofres públicos.

    Os acordos de delação premiada da Odebrecht devem desencadear novas fases da Operação Lava Jato até o ano que vem. Estima-se que pelo menos 200 políticos de diferentes partidos devem ser comprometidos pelas revelações feitas pela empresa e seus dirigentes ao MPF.

     

    Mais:

    Procuradores da Lava Jato repudiam pacote anticorrupção aprovado na Câmara
    Mesmo alvo da Lava Jato, Jucá é o novo líder do governo no Congresso
    Mulher de Cunha se nega a responder juiz da Lava Jato
    Comissão debate projeto contra corrupção com procurador da Lava-Jato
    Projeto na Câmara 'enterra a Lava Jato'
    Tags:
    Odebrecht, Ministério Público Federal, Emilio Odebrecht, Curitiba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik

    Todos os comentários

    • lugenio
      Os filhos da p*** que forem denunciados pela odebrecht e comprovada sua materialidade os mesmos devem ficar inelegiveis ate sua morte pois roubar desviar dinheiro do erario publico e um crime contra a naçao contra todos os brasileiros nao faz o menor sentido tal individuo ter uma nova oportunidade para roubar novamente.
    Mostrar comentários novos (0)

    Em foco