10:08 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Destroços do avião  da LaMia, que caiu com a equipe Chapecoense e jornalistas

    Anac se pronuncia sobre acidente de avião com equipe Chapecoense

    Raul Arboleda/AFP
    Brasil
    URL curta
    Queda do avião com Chapecoense (73)
    434

    A Associação Nacional de Aviação Civil (Anac) divulgou nesta terça-feira (29) uma nota oficial sobre o acidente com o avião que transportava o time de futebol da Chapecoense até Medellín, na Colômbia.

    Inicialmente,  a equipe partiria nesta segunda-feira (28), em um voo fretado saindo diretamente de Guarulhos, em São Paulo. Porém,  a Anac não permitiu a operação de fretamento. Com isso, a Chapecoense e outros passageiros, incluindo jornalistas seguiram em um voo de carreira da companhia boliviana BoA até Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e de lá pegou o avião fretado da companhia LaMia, que partiria do aeroporto de Cumbica e que acabou sofrendo o acidente na madrugada desta terça-feira (29).

    De acordo com o comunicado, a Anac reafirma que foi pedido o voo da empresa boliviana LaMia Corporation para fazer o transporte do time de futebol Chapecoense para a Colômbia e que este pedido tinha sido negado pela Associação devido as normas do Código Brasileiro de Aeronáutica e na Convenção de Chicago, responsável pelos acordos de serviços aéreos entre os países.

    "O acordo com a Bolívia, país originário da companhia aérea Lamia, não prevê operações como a solicitada. A ANAC informou ao solicitante do voo que o transporte poderia ser realizado por empresa aérea brasileira e/ou colombiana, conforme a escolha do contratante do serviço, nos termos dos acordos internacionais em vigor."

    A Anac diz ainda que se solidariza com os familiares das vítimas do acidente.

    Acompanhe em tempo real os acontecimentos da tragédia com a Sputnik.

    Tema:
    Queda do avião com Chapecoense (73)
    Tags:
    chapecoense, queda, avião, LaMia, Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Bolívia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik