00:32 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2715
    Nos siga no

    O Conselho de Administração da Petrobras aprovou nesta quinta-feira a assinatura do contrato para venda da Liquigás Distribuidora S.A. para a companhia Ultragaz S.A., subsidiária da Ultrapar Participações S.A..

    O valor estimado da venda é de R$ 2,8 bilhões, mas pode mudar, segundo divulgou a estatal por meio de uma nota. “O valor ainda estará sujeito a ajustes em razão das variações de capital de giro e da posição da dívida líquida da Liquigás entre 31/12/2015 e a data de fechamento da transação”.

    A venda da Liquigás faz parte do Plano de Desinvestimentos 2015-2016 da Petrobras. A operação foi conduzida por meio de processo competitivo.

    “Essa transação ainda está sujeita à aprovação das assembleias gerais da Petrobras e da Ultrapar e ao cumprimento de condições precedentes usuais, incluindo a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (Cade)”, informou a Petrobras.

    Primeira distribuidora de gás liquefeito de petróleo (GLP) do Brasil, a Ultragaz atende a cerca de 11 milhões de domicílios no segmento envasado e 50 mil clientes no segmento a granel.

    A Liquigás é subsidiária integral da Petrobras e atua no engarrafamento, distribuição e comercialização de GLP e atua em quase todos os estados brasileiros, com 23 centros operativos, 19 depósitos, uma base de armazenagem e carregamento rodoferroviário e uma rede de aproximadamente 4,8 mil revendedores autorizados, informou Agência Brasil.

    Mais:

    Abandono de setores fará Petrobras ser apenas mais uma petrolífera média
    Petrobras quer reduzir dívida pela metade até o fim de 2018
    Petroleiros: venda de ativos da Petrobras é passo inicial para privatização
    Petrobras registra lucro de R$ 370 milhões no segundo trimestre de 2016
    Engenheiros da Petrobras alertam para aprovação de mudanças que vão prejudicar a estatal
    Tags:
    privatização, Ultrapar, Liquigás, Petrobras, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar