19:19 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    15193
    Nos siga no

    Na manhã desta quinta-feira, a Polícia Federal deteve o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Ele é acusado de receber mais de 220 milhões de reais em propina para fechar contratos públicos.

    De acordo com a Globo, outras nove pessoas foram detidas na manhã de hoje. São elas Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho, Hudson Braga, Carlos Emanuel de Carvalho Miranda, Luiz Carlos Bezerra, Wagner Garcia, José Orlando Rabelo, Luiz Paulo Reis (prisão preventiva), Paulo Fernando Magalhães Pinto e Alex Sardinha da Veiga (prisão temporária).

    As obras públicas em questão são a reforma do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014, o PAC Favelas e o Arco Metropolitano. O Ministério Público Federal (MPF) afirma possuir evidências de Cabral ter recebido 2,7 milhões de reais da construtora Andrade Gutierrez para construção no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro.

    Origem indiana

    A operação foi batizada Calicute, em homenagem à cidade indiana, onde Pedro Alvares Cabral enfrentou uma situação apertada com moradores locais.

    O Cabral brasileiro provocou saia justa no Rio (com 38 mandados de busca e apreensão, 8 de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 14 de condução coercitiva) e no Paraná (com 14 mandados de busca e apreensão, dois de prisão preventiva e um de prisão temporária).

    Pormenores

    De acordo com fontes citadas pelo Estado de São Paulo, a Carioca Engenharia deu a Cabral um total de 32,5 milhões de reais em propina; a Andrade Gutierrez, 7,7 milhões de reais, apurados entre os anos de 2007 e 2014.

    O MPF também indica que alguns montantes não foram repassados em espécie, mas em depósitos fracionados em contas do ex-governador, chegando ao total de 10 mil reais.

    Tags:
    corrupção, Polícia Federal, Sérgio Cabral, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar