15:59 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Entrada para a sede da OMC em Genebra, Suiça (foto de arquivo)

    'OMC não conseguirá agir nos interesses dos EUA na disputa com Brasil'

    © AP Photo/ Fabrice Coffrini
    Brasil
    URL curta
    241

    O Brasil questionou os EUA na Organização Mundial de Comércio (OMC) por causa de sobretaxas ao aço brasileiro. A queixa foi apresentada no tribunal da OMC. O Brasil visa obter a diminuição das taxas que foram aumentadas pelos norte-americanos neste ano por causa de fornecimentos da produção terem alegadamente pouca qualidade.

    Na opinião de um especialista, o conselheiro para assuntos macroeconômicos do diretor geral da empresa Otkrytie-Broker, Sergei Khestanov, até ao último momento o tribunal da OMC foi um bom instrumento de resolução de disputas comerciais. Entretanto, como regra, um processo disputado na OMC dura bastante tempo.

    "É normal o processo levar três ou mesmo cinco anos", disse ao serviço russo da Rádio Sputnik.

    Emblema da Organização Mundial de Comércio (OMC) que fica perto da entrada na sede da organização em Genebra
    © Sputnik/ Ruben Sprich
    Quanto à questão em disputa, o problema é que em todo o mundo a indústria siderúrgica sofre uma crise de superprodução.

    "As taxas que foram aumentadas para os brasileiros não são extremamente altas. As taxas antidumping mais altas, em relação às exportações de aço, foram introduzidas contra os produtores chineses. As taxas foram aumentadas também para os russos. Isso não está relacionado com a qualidade da produção, mas com o fato de, segundo o regulador norte-americano, os produtores da China, Brasil e Rússia terem certas vantagens contra os produtores norte-americanos e isso deve ser equilibrado com a ajuda de taxas", disse.

    É uma medida dolorosa para os brasileiros, disse o economista, mas é popular porque protege produtores nacionais. O mais importante é que a OMC irá considerar se os produtores de ambos os países estão em condições iguais.

    "Se o representante norte-americano não conseguir provar que estas taxas equilibram as posições dos produtores destes países, neste caso a OMC poderá exigir que as taxas sejam diminuídas", afirmou Khestanov.

    Muitos consideram que os EUA são os donos da OMC e que o Brasil não deve contar com uma decisão justa, mas o especialista pensa que as regras da OMC são muito claras e que a OMC não recorrerá a sua violação aberta, mas o processo pode levar até cinco anos.

    Na opinião de Khestanov, Trump pode introduzir taxas altas em muitas áreas, mas o sistema norte-americano prevê que qualquer decisão do presidente possa ser bloqueada por dois terços do Congresso dos EUA. Quanto às declarações pré-eleitorais de Trump, o economista afirmou que são ricas em populismo e podem dizer pouco sobre a futura política do novo presidente norte-americano.

    Mais:

    Será que Venezuela é um país-pária no comércio latino-americano?
    China aposta em dois acordos de livre comércio alternativos ao TPP dos EUA
    Kiev acusou Moscou de violar normas da OMC
    Tags:
    taxa, comércio, disputa, OMC, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik