17:44 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump é o novo presidente dos Estados Unidos

    Senadores se preocupam com Trump em relação a acordo do clima e restrição a imigrantes

    Michael Vadon/Foto Públicas
    Brasil
    URL curta
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)
    520
    Nos siga no

    A vitória surpreendente de Donald Trump como novo presidente dos Estados Unidos foi um dos assuntos mais comentados nesta quarta-feira (9) entre os senadores, em Brasília. Os parlamentares já analisam as consequências da gestão do empresário, especialmente para o Brasil.

    Segundo o presidente da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas, senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), a vitória de Trump traz muitas incertezas sobre o posicionamento dos Estados Unidos em relação ao Acordo de Paris, firmado durante a 21.ª Conferência das Partes sobre o Clima (COP 21), principalmente em um momento em que mais de 55% dos países que assinaram o acordo já ratificaram o documento e que a implementação das medidas está em discussão na 22.ª Conferência das Partes sobre o Clima (COP 22), que teve início nesta semana em Marrakesh, no Marrocos. 

    Fernando Bezerra Coelho destaca que o Partido Republicano sempre foi resistente quanto à medida de combate ao aquecimento global.

    "O Partido Republicano sempre teve uma posição de muita resistência a acreditar que o aquecimento global seja uma realidade derivada da atividade produtiva do homem. Portanto, a eleição de Donald Trump representa uma grande incógnita em como os Estados Unidos vão se posicionar na arena internacional em relação a esse tema. Por outro lado, a COP 22 em Marrakesh, que começou essa semana em Marrocos, é um momento muito importante. Mais de 55% dos países que assinaram o Acordo, ratificaram o Acordo e a grande discussão é como implementá-lo, e como monitorar as ações que irão evitar que a Terra possa se aquecer mais de 2ºC até 2050."

    A campanha de Donald Trump foi marcada por diversas polêmicas, entre elas a construção de um muro na fronteira com o México para impedir a entrada de imigrantes. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB -AM), que é procuradora da mulher no Senado, espera momentos difíceis em questões ligadas aos imigrantes e às mulheres, com Trump à frente da Casa Branca. "Quem ganha é alguém que utilizou esse discurso misógino, de discriminação contra a mulher. Quem ganhou as eleições é alguém que defende a expansão dos muros, dividindo os Estados Unidos dos outros países e falando contra a migração."

    O senador Cristovam Buarque (PPS-DF), destacou que a vitória de Donald Trump é a 'vitória das forças anti-globalizantes de direita'. O senador ressalta que a imprevisibilidade do empresário é uma preocupação, mas acredita que Trump vai ter dificuldades para cumprir as promessas de campanha.

    "Ele é imprevisível. De repente pode dar outra surpresa, mas não acredito, e mudar tudo que falou durante esse período (campanha). O mais provável entretanto, é que ele tente se comportar no governo como um empresário que ele é, achando que não tem que dar satisfações ao Congresso, achando que vai fazer tudo que prometeu e tentar fazer coisas que não vai conseguir." 

    Já o presidente da Comissão de Relações Exteriores, senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) avalia que ainda é cedo para saber as consequências da vitória de Trump para o Brasil, como por exemplo, na questão da geração de empregos. "Há muitas formas de trazer os empregos para os Estados Unidos. Uma forma é o isolacionismo, que seria ruim para as relações econômicas com o Brasil, mas você pode criar empregos também estimulando o comércio internacional, o que pode ser bom para o Brasil. Nós temos que esperar um pouco, esperar a poeira assentar e ver quem é o verdadeiro Trump, presidente dos Estados Unidos."

    O presidente Michel Temer comentou a vitória de Trump nas redes sociais e ainda enviou nesta quarta-feira (9) uma carta ao presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, o parabenizando pela vitória, além de desejar 'pleno êxito' ao governo dos EUA. 

    Temer ressaltou ainda que os dois países são grandes democracias que possuem 'fortes relações nos mais diferentes domínios', e que está certo de que Brasil e EUA vão trabalhar para estreitar ainda mais os laços de amizade e cooperações entre os povos.

    Tema:
    Trump, presidente: a surpresa que abalou o mundo (70)
    Tags:
    COP22, COP21, Acordo de Paris, consequências, eleições presidenciais, vitória, clima, Aloysio Nunes Ferreira, Vanessa Grazziotin, Cristovam Buarque, Fernando Bezerra Coelho, Donald Trump, Michel Temer, Marrakech, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar