10:11 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Uma das áreas degradadas com lixo e o mangue desmatado em Cubatão, que está sendo recuperada pelos voluntários no Bairro do Casqueiro

    Voluntários plantam árvores para salvar Vale da Morte

    GED Inovação
    Brasil
    URL curta
    436721

    A cidade de Cubatão, Localizada a 40 Km da capital do estado de São Paulo, já foi considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU), até o início da década de 1980 a mais poluída do planeta, ficando conhecida como o “Vale da Morte”, devido ao crescimento industrial desgovernado na região.

    Segundo dados da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental de São Paulo (CETESB), nos anos 80, cerca de 30 mil toneladas de poluentes eram lançadas por mês em Cubatão, desaparecendo com os peixes e pássaros, pois os animais não conseguiam se reproduzir ou viver no local por conta dos elevados níveis de poluição.

    Para a população, os problemas de saúde na ocasião também eram alarmantes. Cubatão chegou a ser líder em casos de problemas respiratórios no Brasil. 

    A partir de 1983 foi implantado um plano de recuperação ambiental na cidade. O trabalho de regeneração da região, no entanto, acontece até hoje.  Conforme pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da USP, em maio deste ano Cubatão ainda têm índices de poluição acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde. No Estudo, Cubatão registrou  60 microgramas por metro cúbicos de material particulado  (MP) 10. Segundo a OMS, o limite aceitável é de 20 microgramas.

    A fumaça saindo de refinaria de Cubatão, no litoral de São Paulo
    Rovena Rosa/Agência Brasil
    A fumaça saindo de refinaria de Cubatão, no litoral de São Paulo

    Para ajudar a melhorar a qualidade do ar da cidade, voluntários estão realizando mutirões para reflorestar o Vale da Morte, através do plantio de árvores nas áreas mais degradadas do município, com o bairro Jardim Casqueiro, em Cubatão.

    Crianças participam do reflorestamento em Cubatão
    GED Inovação
    Crianças participam do reflorestamento em Cubatão

    Em entrevista exclusiva para a Sputnik, o pesquisador e engenheiro ambiental, Gabriel Estevam Domingos, diretor-executivo da GED Inovação, empresa premiada na área de meio ambiente e organizadora do projeto, contou que a ação de recuperar áreas de Cubatão se intensificou após o último balanço realizado pelo Observatório do Clima em outubro deste ano, revelando que as emissões brutas de gases do efeito estuda cresceram 3,5% no Brasil em 2015 em relação a 214, e que o desmatamento foi o maior responsável pelo aumento da taxa, contrariando a tendência de queda no lançamento de poluentes no país. "Esse projeto surgiu com a necessidade de minimizar os impactos causados pelas pessoas e pelas empresas no meio ambiente de uma forma geral. Temos dados recentes da poluição atmosférica no Brasil que cresceu 3,5%, então é um projeto que visa o reflorestamento em áreas degradadas."

    Gabriel Estevam Domingos e voluntárias fazendo o plantio
    GED Inovação
    Gabriel Estevam Domingos e voluntárias fazendo o plantio

    Para realizar a recuperação da região atingida, o pesquisador explicou que é feito um mapeamento da área a ser reflorestada e há ainda a preocupação de que sejam árvores frutíferas para gerar alimento para os animais do local. "Nós mapeamos áreas degradadas como em Cubatão, como na Amazônia, como no entorno do Cinturão Verde das represas aqui, especialmente do sistema Cantareira e plantamos árvores nativas típicas daquela região. Nós estamos indo para o quarto mutirão, sendo que o primeiro em Cubatão, onde já estamos com quase 4 mil mudas plantadas."

    Segundo o engenheiro, até hoje Cubatão paga por todo o crescimento industrial que obteve, ao ser a primeira cidade industrializada do país.

    "Já se melhorou muito, em 1992 Cubatão ganhou o selo da ONU de cidade símbolo mundial de recuperação ambiental, participou da ECO 92, no entanto, há muito ainda o que se fazer há passivos desde a Rhodia (fábrica de pesticidas), áreas contaminadas, que não se pode utilizar para nada e ultimamente temos acompanhado um índice de particulado da atmosfera um tanto quanto elevado, mesmo em período de uma conjuntura econômica de recessão que estamos vivendo, a produção industrial caiu. Portanto, apesar de ter sido uma cidade que parcialmente se recuperou notamos que ainda uma contaminação atmosférica bem significativa."

    Voluntários realizando o plantio das mudas
    GED Inovação
    Voluntários realizando o plantio das mudas

    O pesquisador destacou ainda a importância da participação da sociedade, especialmente dos jovens que nunca tiveram contato com a terra no trabalho de reflorestamento que vem sendo realizado através do projeto, além de conscientizar a população como ser também poluidor.

    "Este é o propósito. Nós atribuímos muito essas questões ambientais aos nossos gestores públicos, as indústrias, mas todos nós cidadãos temos uma parcela de contribuição para o clima, de uma forma geral. Nossas ações antrópicas também geram carbono. Cabe a nós contribuirmos também com nossa parte. Nós fazemos essas ações e temos tido resultados fantásticos. É criança que tinha mexido com terra na vida, e conseguir explicar conceitos básicos de fotossíntese, de ecologia, sobre a importância da preservação."

    Pais e filhos aprendem juntos e ajudam no reflorestamento em Cubatão
    GED Inovação
    Pais e filhos aprendem juntos e ajudam no reflorestamento em Cubatão

    Para saber quantas mudas de árvores devem ser plantadas para compensar a emissão de CO2 de uma pessoa na atmosfera, a empresa GED Inovação lançou em setembro, um aplicativo que diz quanto a pessoa emite de carbono e como compensar esse prejuízo em mudas. Através do 'Carbon Z', os usuários vão podem utilizar os índices para consulta ou pagar para que o pesquisador e sua equipe plantem as mudas.

    "No dia da árvore, dia 21 de setembro, nós lançamos um aplicativo chamado Carbon Z, gratuito, que está disponível na linguagem Android, que ele serve para calcular a pegada de carbono das pessoas. A pessoa baixa, responde suas perguntas rotineiras, como o tempo de transporte que ela usa, o quanto de água gasta, energia elétrica, e isso gera um coeficiente de carbono que ela emite na atmosfera. Gera-se uma conta no final de quantas mudas, ela precisa plantar para neutralizar esse carbono."

    O especialista em meio ambiente também falou sobre a participação do Brasil dentro do Protocolo do Clima da ONU, e as metas de redução na emissão de gases do efeito estufa até 2030. Para Gabriel, o país ainda está caminhando de forma muito lenta para conseguir atingir as metas prometidas no Acordo da Cop 21. "Apesar de terem feito um acordo que países em desenvolvimento tenham um tempo maior para se enquadrar nas metas, eu acho que estamos muito insipientes ainda. Você vê o grau de desmatamento da Amazônia, esse dado que o Brasil aumentou o nível de carbono na atmosfera, eu acho que temos que começar a nos mobilizar, porque senão não vamos conseguir atingir essa meta, da mesma forma como as outras metas não foram atingidas."

     

     

    Tags:
    Vale da Morte, voluntários, ar, solo, recuperação, CO2, poluição, reflorestamento, GED Inovação, Gabriel Estevam Domingos, São Paulo, Cubatão, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik