14:03 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Governador Pezão participa de encontro na Firjan

    Pezão nega que crise no Rio foi causada por isenção fiscal

    Renata Mello/Firjan
    Brasil
    URL curta
    3 0 0
    Nos siga no

    O Governador licenciado do Rio, Luiz Fernando Pezão falou nesta sexta-feira (28) sobre a crise financeira do Estado. Pezão negou que a situação foi gerada por conceder benefícios fiscais à empresas e prometeu recorrer da decisão dada pela Justiça do Rio esta semana, proibindo que o estado continue concedendo novas isenções.

    Ao participar do Seminário de infraestrutura Fluminense, realizado na sede da Firjan – Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, Pezão afirmou que o Estado vai à Justiça para garantir a manutenção dos incentivos fiscais para o fortalecimento da economia, que segundo ele, estimulam o crescimento econômico, impulsionam a geração de empregos e aumentam a competitividade da indústria fluminense.

    Segundo Luiz Fernando Pezão,  os incentivos concedidos nos últimos anos permitiram que as empresas se instalassem no Rio, e que sem eles não teria sido possível a implantação do polo leiteiro e de carnes, e não também não teria sido desenvolvido o polo da Michelin e toda uma indústria logística que retornou para o Rio. 

    "Não foi pela isenção que foi dada para as empresas, que é a crise no Estado, não é isso. Se o Estado tem erros nossos vamos corrigir os nosso erros. Agora, não é pela atração de empresas, de investimentos. Olha como ficou o distrito industrial de Queimados (Baixada Fluminense), que não tinha uma indústria lá, o distrito industrial de Três Rio, o polo automotivo com suas empresas hoje no sul do Estado. Nós estamos vendo uma série de medidas até de reavaliação, ver o que foi dado errado de incentivos para nós corrigirmos."

    Pezão também comentou sobre a falta de recursos para garantir o pagamento dos salários dos servidores estaduais. Nesta quinta-feira (27), a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia cassou a liminar que obrigava o Estado do Rio a pagar os servidores até o terceiro dia útil do mês. A liminar tinha sido concedida em julho pelo então presidente do STF, Ricardo Lewandovski.

    Com a determinação de Cármen Lúcia, volta a valer a decisão do Tribunal de Justiça do Rio, que tinha autorizado o pagamento dos salários dos servidores até o 10º dia útil do mês. O sindicato dos servidores públicos promete recorrer da decisão.

    Sobre a situação, Luiz Fernando Pezão disse que não tem intenção de cortar salários.

    "A redução de salário está sendo questionada ainda no STF, porque existe uma ação. A lei de Responsabilidade Fiscal coloca que você pode reduzir, mas existe esse questionamento dentro do STF.  Não é a minha intenção. A nossa proposta é de tentar equilibrar atuarialmente na Previdência."

    Em relação ao pagamento do 13º salário dos servidores, o governador disse que não tem nada garantido, pois ainda está buscando recursos para pagar a folha do mês de outubro.

    Oficialmente, o governador licenciado Luiz Fernando Pezão anunciou sua volta ao cargo na próxima terça-feira (01). Mesmo assim, Pezão só vai trabalhar no máximo quatro horas por dia nos primeiros meses, pois ainda está em tratamento de um câncer. Desta forma, o vice-governador, Francisco Dornelles, que o tem substituindo desde seu afastamento em março deste ano,  seguirá dividindo as atividades com Pezão.

     

     

     

    Tags:
    13º salário, incentivos fiscais, salários, servidores, atraso, suspensão, pagamento, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Firjan, Francisco Dornelles, Luiz Fernando Pezão, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar