01:16 19 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Juízes Michel Curi, de MG; Luís Rocha, de PE; e Ronie Carlos, de GO; protocolam representação contra Calheiros

    Juízes apresentam representação no Conselho de Ética contra o presidente do Senado

    Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1952
    Nos siga no

    Cinco juízes entregaram nesta quinta-feira (27) uma representação à Secretaria do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado contra o presidente da Casa, Renan Calheiros.

    Os magistrados pedem ao Conselho de Ética que avalie e sejam adotadas as "sanções cabíveis", sobre a conduta de Calheiros perante o juiz federal Vallisney de Souza, da 10ª Vara da Justiça Federal, de Brasília. Após autorizar mandados de prisão de policiais legislativos e busca e apreensão nas dependências do Senado, em Operação Métis da Polícia Federal, Renan Calheiros chamou Vallisney de Souza de "juizeco".

    "Nós entendemos que a palavra por si só não toma essa dimensão. Toma de onde vem, como vem, e no momento em que veio. A gente entende que a providência que deve ser adotada no caso de uma decisão de um juiz é a via recursal. Os poderes Judiciário, Executivo e Legislativo são independentes e harmônicos entre si. Esses são os pilares da nossa democracia. Então não nos parece razoável que se utilize de adjetivação e de palavras que minorem o magistrado e a magistratura", justificou um dos juízes que integram a representação, Luiz Rocha, da 10ª Vara Penal de Pernambuco.

    O documento apresentado pelos juízes faz menção ao Código de Ética da Magistratura, que diz que qualquer afronta que fira a independência de um juiz deve ser denunciada. Com isso, os juízes explicaram que se sentiram no dever de acionar o Conselho de Ética para verificar se houve ou não quebra de decoro pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, em suas declarações.

    "E possa então tomar a decisão que ela tenha que tomar. Seja punir, seja arquivar, a competência é da comissão de ética. O que nós não poderíamos é, em função de uma ofensa praticada, adjetivar também o cidadão do senador, a pessoa do senador ou o próprio Senado. Isso nós não poderíamos fazer", afirmou o juiz Luiz Rocha.

    A Mesa Diretora recebeu o pedido dos juízes e vai encaminhar para análise do presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), que ficará responsável por arquivar ou dar prosseguimento à denúncia.  O senador só deve tomar ciência do caso na segunda-feira (31) e encaminhar o documento para a Advocacia do Senado para análise jurídica.

    Nesta quinta-feira (27), o Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki concedeu uma liminar suspendendo a Operação Métis. Na liminar, o ministro do STF afirma que ficou constatada a intenção da Operação Métis de investigar parlamentares, que têm foro privilegiado, e que só podem ser investigados com autorização do Supremo Tribunal Federal. 

    Além de suspender o inquérito, o ministro Teori Zavascki também determinou na liminar, que todo o processo relacionado à Operação que está na 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, fosse transferido para o STF.

     

     

    Mais:

    Teori Zavascki suspende operação Métis da PF que prendeu policiais do Senado
    Tags:
    representação, juízes, Supremo Tribunal Federal (STF), Conselho de Ética, Senado Federal, Luiz Rocha, Vallisney de Souza Oliveira, Renan Calheiros, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar