06:12 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Ubes 2

    Estudantes secundaristas já ocupam mais de mil escolas em todo o país

    Tânia Rêgo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    23718123

    O movimento de ocupação de escolas e centros de ensino por estudantes secundaristas contrários à reforma do ensino médio e a fixação de um teto para gastos públicos por 20 anos não para de crescer. Só nesta quarta-feira, mais de mil escolas se encontravam ocupadas, segundo balanço divulgado pela União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES).

    Conforme o levantamento, são 995 escolas e institutos federais, 72 campi universitários, núcleos regionais de educação, além da Câmara Municipal de Guarulhos (SP). Há também uma guerra de números entre estudantes e governos. No Paraná, por exemplo, os ocupantes falam em 847 escolas ocupadas, enquanto o governo só contabiliza 792. O Paraná aparece como o estado com maior número de ocupações, seguido por Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás e Rio Grande do Norte.

    A Sputnik Brasil ouviu a presidente da UBES, Camila Lanes, que fez um balanço do movimento até agora e mostra a disposição dos estudantes secundaristas em continuar resistindo às medidas que vêm sendo anunciadas pelo governo federal. Segundo ela, já são mais de 1.108 ocupações de escolas em todo o Brasil. 

    "Ontem (terça-feira, 25) teve a portaria ocupada do MEC. É uma grande movimentação contra a Medida Provisória (MP) 746, que vai acabar com o ensino público no Brasil e também contra a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 241, que vai congelar todos os investimentos nos setores públicos pelos próximos 20 anos."

    Na terça-feira, em entrevista à Sputnik, a senadora Simone Tebet (PMDB-MS) procurou tranquilizar os opositores da PEC 241, afirmando que a proposta não vai retirar recursos de áreas básicas como saúde e educação: "Se eu precisar aumentar o gasto com a saúde e a educação acima da inflação em 2018 e 2019, eu posso fazer e até dobrar o gasto desde que eu corte ministérios, cargos, diminua cargos comissionados, deixe de fazer uma ponte, uma obra e invista naquilo que é social e importante."

    A presidente da UBES discorda de forma enfática. 

    "Essa senadora está mentindo, porque não confiamos no PMDB, o partido responsável por dar o golpe no país. Se ela acha que nós estudantes secundaristas vamos acreditar nessa balela de que, cortando secretarias e reduzindo todos os investimentos que envolvem a estrutura de educação pública de nosso país, isso vai trazer melhorias, ela está muito enganada."

    Camila observa que o governo tinha nesta quarta-feira, 26, cerca de 8,5 milhões de estudantes secundaristas inscritos para fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) — previsto para os dias 5 e 6 de novembro —, mas só são fornecidas 220 mil vagas. Segundo ela, isso significa que só 2,8% dos estudantes que vão concorrer ao Enem este ano vão entrar na universidade. 

    "Tudo isso é fruto de uma série de cortes e medidas que o governo federal tem colocado há muito tempo, não só esse governo, mas o outro governo também. Somos contra a MP e contra a PEC 24. Diferente dos senadoes e deputados  que estão sendo convidados para jantares milionários, onde ficam desfrutando de toda a sua riqueza individual, a gente não acredita que uma senadora se convença que o estado em que a administração pública está em nosso país possa melhorar com essa redução dos investimentos. É impossível, fora da realidade. Eu convido essa senadora a visitar uma escola ocupada, uma escola pública para ela ver a realidade das escolas."

    Indagada se o movimento de ocupação está sendo reprimido por governos estaduais ou prefeituras, a presidente da UBES diz que  os governos que se opõem a essa movimentação estão tentando fazer isso direta ou indiretamente, criando as milícias 'Desocupa', que estão agredindo os estudantes nas escolas. 

    "Ontem (terça) tivemos escolas foram reintegradas à força por esse movimento na base da pedrada. Já tivemos aqui no Paraná, infelizmente, um grave caso com a morte de um estudante secundarista que foi assassinado dentro da escola. Os governos que estão se opondo utilizam várias formas de tentar desestabilizar o movimento, não só pela polícia. A polícia é uma das últimas ferramentas que eles utilizam."

    Mais:

    Sem hora de recreio: cresce a ocupação de escolas no Paraná
    União de Estudantes acusa mídia de ter preparado clima para impeachment
    Tags:
    educação, ajuste fiscal, investimentos, protestos, estudantes, escolas ocupadas, Enem, UBES, PMDB, Congresso, Camila Lanes, Simone Tebet, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik