18:28 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Polícia Federal durante a operação que prendeu os policiais-legislativos do Senado

    Preso em Operação da PF, Diretor da Polícia do Senado é solto em Brasília

    José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    0 14303

    Depois de ter sido preso na última sexta-feira (21) acusado de obstruir as investigações da Operação Lava Jato, o Diretor da Polícia do Senado, Pedro Ricardo Carvalho foi solto no início da madrugada desta quarta-feira (26), após fim do prazo de prisão temporária.

    Pedro Ricardo estava na Superintendência da Polícia Federal em Brasília.

    A prisão temporária dura cinco dias, e pode ser prorrogada por mais cinco. Porém, os cinco dias terminavam nesta quarta-feira (26), mas sem dar detalhes dos motivos, a prorrogação não foi solicitada pela Polícia Federal.

    Os Advogados do Senado Federal também tinham ingressado com um pedido na Justiça Federal para que o período de prisão de Carvalho não fosse prorrogada. 

    O Diretor da Polícia do Senado foi preso durante a Operação Métis juntamente com outros três policiais legislativos, que foram soltos ainda na sexta-feira (21).

    Todos os policiais legislativos são suspeitos de fazer serviço de contrainteligência, através de varreduras e eliminação de escutas instaladas com autorização da Justiça, em imóveis ligados a senadores que são investigados pelo Supremo Tribunal Federal. 

    A ação da Polícia Federal no Senado que levou a prisão dos policiais legislativos, gerou críticas a PF e a magistrados por parte do Presidente da Casa, Renan Calheiros, que prometeu entrar com recurso nesta quarta-feira (26) junto ao Supremo Tribunal Federal para anular toda a investigação contra os acusados de atrapalhar os trabalhos da Lava Jato. Calheiros argumenta que a operação da PF feriu o princípio da separação de poderes.

     

    Tags:
    Operação Métis, prisão temporária, soltura, Polícia Federal - PF, Diretor da Polícia do Senado, Polícia Legislativa - Senado, Pedro Ricardo Carvalho, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik