05:11 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Michel Temer e Alexandre de Moraes

    Declarações de ministro da Justiça colocam em dúvida blindagem da Polícia Federal

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    140
    Nos siga no

    Ao participar de evento de campanha do deputado federal Duarte Nogueira (PSDB), candidato a prefeito de Ribeirão Preto (SP), no último domingo, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, disse a jornalistas que se preparassem, para novos episódios na Operação Lava Jato.

    Na segunda-feira, a Polícia Federal prendia o ex-ministro da Fazenda Antonio Pallocci.  O episódio repercutiu mal e levou o presidente Michel Temer a convocar Moraes para prestar esclarecimentos sobre a declaração. Para muitos analistas, ficou a sensação de que o ministro da Justiça está a par de todas as operações da Polícia Federal, e que há a possibilidade de orientação quanto às investigações feitas pelo órgão.

    Após ouvir as explicações do ministro, Temer deu por encerrado o caso. Mesmo assim, a Comissão de Ética da Presidência da República deu um prazo de dez dias para que o ministro esclareça as declarações.

    Para o cientista político e professor de Ciências Políticas da Universidade de Brasília (UnB) Paulo Kramer, a declaração de Moraes é particularmente grave por duas razões. A primeira porque a Polícia Federal é um órgão vinculado à pasta que ele dirige. 

    "Por uma necessidade de autonomia operacional e para que ela possa desenvolver sem interferências políticas o seu trabalho, a Polícia Federal não pode informar ao chefe, no caso o ministro da Justiça, quando e onde ela vai desencadear uma nova etapa de investigações."

    O segundo agravante, na avaliação de Kramer, foi o fato de que o ministro fez as declarações no reduto político tradicional do ex-ministro Palocci, que foi prefeito de Ribeirão Preto (SP).

    "No dia seguinte a Federal vai e prende o Palocci. Isso para muita gente coloca em dúvida a autonomia, a blindagem da Polícia Federal em relação a pressões políticas governamentais ou não."

    Kramer lembra que esta não foi a a primeira vez que o ministro se mete nesse tipo de confusão. No início do governo interino de Temer, ele deu uma declarações referentes ao Ministério Público que ele, e portanto o governo, seriam favoráveis a uma limitação de autonomia dos procuradores do MP. Ele foi repreendido por Temer, o que gerou a tradicional onda de desmentido, o que não ficou bem.

    "Como você tem, além do PT, muitos políticos envolvidos nessas investigações, há uma coisa que não mudou, mesmo tendo mudado o governo: a ansiedade e a ilusão dos políticos que estão na mira dos investigadores no sentido de eles querem controlar o caminho dessas investigações. Eles não conseguem e ficam muito nervosos. A gente sabe que no governo Dilma houve pressões não muito sutis do PT sobre o ministro da Justiça, o José Eduardo Cardozo, no sentido de que ele controlasse as investigações, o que ele não atendeu, alegando que a autonomia da Polícia Federal é o preço da credibilidade que o órgão paga à sociedade brasileira."

    O cientista político diz que os brasileiros esperam que as investigações sigam seu curso, vão para onde tenham que ir sem nenhum tipo de interferência político-partidária, quer do governo, quer da oposição. 

    Mais:

    Temer encerra polêmica da Lava Jato com Ministro da Justiça, mas senadores querem punição
    Ministro da Justiça nega saber de ação da Lava Jato com prisão de Palocci
    Tags:
    vazamento, interferência, parlamentares, investigações, Operação Lava Jato, Ministério Público, Universidade de Brasília, Ministério da Justiça, Polícia Federal, Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, Paulo Kramer, Antonio Palocci, Alexandre de Moraes, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar