06:26 24 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministro Raul Jungmann

    Jungmann diz que manifestações contra Temer vão esfriar, com governo mostrando resultados

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    347
    Nos siga no

    Os protestos contra o presidente Michel Temer continuam nas ruas do país e também pelas redes sociais, mas para o Ministro da Defesa, Raul Jungmann as manifestações contrárias ao governo federal estão com dias contados.

    As manifestações contra o governo Temer foram intensificadas após o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, principalmente depois das declarações de Temer quando em viagem à China, no início de setembro, subestimou os atos, dizendo que se tratavam de ações de pequenos grupos, com número inexpressivo de pessoas.

    Para Jungmann,  a medida que o governo Temer vai mostrando resultados positivos, os protestos tendem a esfriar.

    "Daqui pra frente com o governo efetivo e começando a apresentar resultados tanto na economia, como lançando projetos como esse recente das concessões para dinamizar isso tudo, embora leve algum tempo e reduzir emprego, a tendência é que esse processo ele sofra um esfriamento. Pelo menos, é esse o cenário que nós estamos tratando e que nós esperamos que efetivamente venha a acontecer."

    Ao ser questionado sobre como o governo monitora essas manifestações, já que em muitos protestos, principalmente em São Paulo acabam terminando em tumulto e repressão da Polícia, o Ministro da Defesa ressaltou que embora área da segurança não seja a dele, Jungmann disse ver as manifestações como parte da democracia, mas que os protestos devem ser feito dentro da lei.

    "De fato entendemos que a manifestação em um país plural e democrático, e mesmo sabendo, que nós não tivemos nesse impeachment, aquela grande frente que foi montada durante o período Collor (do ex-presidente Fernando Collor de Mello), e que há sem sombra de dúvidas um segmento, que embora minoritário é contrário ao governo que aí está. O que esperamos é que esse direito de manifestação seja realizado, democrático, o governo entende e absorve isso e nem poderia ser diferente, mas que seja dentro da lei, que seja de fato observando o limite da manifestação democrática. Fora isso é compreender, trabalhar e procurar resolver e minimizar essa situação que vivemos hoje de desemprego."

    Integrantes da equipe do governo acreditam que as manifestações também podem começar a enfraquecer devido as recentes denúncias da Operação Lava Jato contra o ex-presidente Lula, que chamam Lula de comandante máximo do esquema de corrupção na Petrobras. Lula, sua esposa Marisa Letícia e mais seis pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal acusadas por crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

    No entanto, movimentos sociais, como a Frente Brasil Popular já anunciam que além das manifestações 'Fora Temer', pedindo eleições diretas, a saída de Temer da presidência e a manutenção dos direitos trabalhistas e civis, vão passar a protestar também em defesa de Lula. Para os movimentos sociais de oposição ao governo Temer, a perseguição ao ex-presidente Lula é parte de mais um capítulo do golpe, que tirou Dilma Rousseff da presidência da República.

    A próxima manifestação organizadas pela Frente Brasil Popular está prevista para domingo, dia 18, às 14h, na Avenida Paulista, centro de São Paulo. Nesta sexta-feira (16), também haverá um ato a partir das 17h, no mesmo local, organizado por grupos da periferia.


    Tags:
    esfriar, repressão, governo, contra, manifestações, Lula, Michel Temer, Raul Jungmann, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar