16:45 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Eduardo Cunha dá coletiva à imprensa após ter o mandato cassado na Câmara

    Eduardo Cunha pretende recorrer à Justiça contra a cassação

    Luis Macedo/Câmara dos Deputados
    Brasil
    URL curta
    1429703

    Depois de ter o mandato cassado, em votação expressiva e surpreendente por 450 votos a favor, muito mais dos que os 257 necessários, e 10 contra, o agora ex-deputado Eduardo Cunha anunciou que vai recorrer à Justiça contra a cassação.

    Eduardo Cunha afirma ainda que foi vítima de uma vingança política, e alega que o resultado da votação no plenário retrata à pressão da mídia e ao efeito da eleição municipal sobre os parlamentares que não quiseram se arriscar a perder votos dos eleitores. 

    "Eu fui vítima de uma vingança política perpetrada no meio do processo eleitoral. A verdade é que há uma pauta em que o presidente da Casa, apoiado pelo governo, se associou ao PT: (a pauta) era me cassar e conseguiu entregar minha cabeça. Só faz delação quem é criminoso. Eu não sou criminoso, então não tenho que fazer delação. Eu vou escrever um livro do impeachment. Vou contar diálogos com todos os personagens que participaram de diálogos comigo, com relação ao impeachment. Todos, todos, todos, todo mundo que conversou.”

    A grande votação pela cassação pegou de surpresa até mesmo os opositores à Cunha.  A votação teve ainda nove abstenções e 42 ausências. A maioria dos deputados que não compareceram à votação é do PMDB. Dos 66 integrantes do partido, 10 não foram votar e eram aliados de Cunha, como José Priante (PA), Hugo Motta (PB), Soraya Santos (RJ), Washington Reis (RJ), Fernando Jordão (RJ), Fábio Reis (SE) e Rogério Peninha (GO). 

    Ainda entre os faltosos estão os deputados do Centrão, grupo com 13 partidos liderados por PP, PSD, PR e PTB, considerados como principal base de apoio de Cunha na Câmara. Nem os aliados mais próximos à Cunha, como os deputados Aelton Freitas (PR-MG) e Jovair Arantes (PTB-GO) compareceram à votação.

    Ainda faltaram à sessão de cassação, os deputados Toninho Wandscheer (PROS-PR) e Marcelo Matos (PHS-RJ), pois estavam licenciados por problemas de saúde.

    Após a cassação, o único deputado a defender Cunha abertamente foi o Carlos Marun (PMDB-MS), que reafirmou que a cassação tem como base a vingança política.

    "O STF era o fórum adequado para que a acusação apresentasse as suas provas, a defesa apresentasse seus argumentos e que se chegasse a um veredito isento desse clima aqui, que é de desejo de vingança, a inveja."

    Com a cassação do mandato, Eduardo Cunha fica inelegível pelos próximos oito anos.

    Tags:
    política, vingança, recorrer, cassação, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik