06:26 17 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Eduardo Cunha na Câmara em 18 de abril de 2016

    Cunha se diz vítima de vingança e promete escrever livro sobre impeachment

    © AFP 2017/ ANDRESSA ANHOLETE
    Brasil
    URL curta
    329145

    Em entrevista coletiva prestada logo após a perda de seu mandato de deputado federal, Eduardo Cunha declarou que não é um criminoso e que sua cassação foi fruto de um "binômio Governo e Globo associado ao PT".

    Cunha declarou que é inocente, vítima de um processo político e que buscaram sua família para lhe atingir. Apesar de dizer que não se sente traído pelo Governo Temer, disse que o Palácio do Planalto é responsável por sua cassação.

    Nas suas palavras, o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se uniu ao Governo Temer e ao PT para cassá-lo.

    "Eu cometi muitos erros. Sou ser humano. Errei muitas vezes, mas não foram meus erros que levaram à minha cassação. O que levou é a política. Fui vítima de uma vingança política" —  disse o deputado cassado.

    Cunha afirmou ainda que não pretende assinar um acordo de delação premiada. "Só faz delação quem é criminoso. (…) Não tenho nada a revelar sobre ninguém, no dia em que o tiver, eu o farei" – explicou.

    Falando em erros, o ex-deputado declarou ter virado um “troféu para fomentar o discurso do golpe” por ter dado inicio ao processo de impeachment contra a ex-presidenta Dilma Rousseff.

    Falta de quórum adia pela 3ª vez votação na CCJ que pode interferir na cassação de Cunha.
    Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    Questionado sobre o que vai fazer agora, Cunha disse que escreverá um livro sobre o processo de impeachment.

    "Pretendo escrever um livro sobre o impeachment. A sociedade merece saber todos os detalhes. Já pretendia fazer isso, mas agora vou fazer mais rápido porque tenho tempo. Vou procurar uma editora" – explicou.

    Tags:
    vítima, vingança, impeachment, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik