12:54 11 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos Rio-2016

    Chama olímpica volta ao Rio com as Paralimpíadas

    © REUTERS/ Jason Cairnduff
    Brasil
    URL curta
    101

    Começou nesta quarta-feira, no final da tarde, a cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos Rio-2016, que ocorre no estádio do Maracanã. e tem previsão de encerramento para as 21h.

    O tema da abertura dos Jogos é "Rompendo Limites", e a coreografia principal é assinada por Cassi Abranches, responsável pelo espetáculo ao lado de nomes como o artista plástico Vik Muniz, o escritor Marcelo Rubens Paiva e o designer Fred Gelli. 

    Mais de 4.000 atletas portadores de deficiência visual, física, intelectual ou paralisia cerebral participam dos Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro. A chama olímpica volta a ser acesa no estádio do Maracanã.

    Apesar do número recorde de atletas participando dos Jogos, a preparação para o evento foi marcada por turbulências como a falta de dinheiro e a baixa procura por ingressos. 

    O diretor de comunicação do Comitê Rio 2016, Mario Andrada, informou no final de agosto que precisava de 200 milhões de reais de dinheiro público para fechar as contas da Rio 2016. 

    O presidente do Comitê Paraolímpico Internacional (IPC), Phil Craven, chegou a descrever a situação do Rio 2016 como a maior crise da história dos Jogos. “Nunca, em 56 anos de história, tínhamos enfrentado circunstâncias como estas”, disse ele no mês passado. 

    As Paralimpíadas acontecem entre 7 e 18 de setembro.


    Mais:

    'Não ficaremos pior sem Jogos Paralímpicos'
    Cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos abordará condição humana e inclusão
    Inaugurada no Rio escultura símbolo dos Jogos Paralímpicos 2016
    Atletas paralímpicos russos também serão barrados nos Jogos de Inverno de 2018
    EUA podem enviar mais paralímpicos por conta do afastamento dos russos
    Tags:
    Paralimpíada, Rio 2016, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik