06:41 17 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Michel Temer durante encontro bilateral com o primeiro-ministro do Japão,  Shinzo Abe, na cúpula do G20

    Paralelo à G20, Temer se encontra com líderes do Japão, Espanha, Arábia Saudita e Itália

    Beto Barata/PR
    Brasil
    URL curta
    1035512

    No último dia do G20, na China, que reuniu as 19 maiores economias do planeta e a União Europeia, o presidente Michel Temer participou nesta segunda-feira (5) de quatro encontros bilaterais em separado com líderes do grupo. As questões de aumento do comércio e a atração de investimentos estrangeiros ao Brasil estiveram presentes nas reuniões.

    Na primeira reunião Temer, se encontrou com o primeiro-ministro Japonês, Shinzo Abe e falou sobre o desejo do Brasil exportar carne e outros produtos agrícolas ao país asiático, e que os países compartilham a mesma preocupação na área climática. Na ocasião Shinzo Abe parabenizou o Brasil pelos Jogos Olímpicos e considerou importante as reformas anunciadas pelo governo brasileiro e convidou o presidente para uma visita de Estado ao Japão.

    Michel Temer também se encontrou com o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy. No encontro, os líderes manifestaram apoio ao acordo de Paz na Colômbia e também trocaram convites de visitas oficiais. 

    Já na reunião com o vice-primeiro ministro da Arábia Saudita, o príncipe Mohammad Bin Salman Al Saud, na cúpula do G20, o presidente Michel Temer falou do interesse no Brasil de exportar além de produtos agrícolas, materiais de defesa ao país do Oriente Médio. Uma missão técnica do governo brasileiro ficou de ir à Arábia Saudita para dar seguimento as negociações. 

    Temer também conversou com o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi,  e prestou solidariedade às vítimas do terremoto que atingiu a Itália em agosto. Temer também agradeceu o apoio da Itália no acordo comercial entre Mercosul e União Europeia. Na reunião também ficou acertada a vinda de uma missão com cerca 300 empresários italianos ao Brasil, em data ainda ser definida.

    Durante discurso na Cúpula do G-20, Michel Temer defendeu a inovação como meio de acabar com a pobreza e promover o desenvolvimento global, e reafirmou o compromisso com o ajuste fiscal, destacando três pontos de atenção para o Brasil: a queda no preço das commodities, os impactos de políticas monetárias de países desenvolvidos e a instabilidade nos mercados financeiros.

    "No G20 falou-se mais da questão dos refugiados. O que fazer com os refugiados, que é um problema que aflige vários países, também do protecionismo e a história dos conflitos. Eu especialmente toquei nesse assunto do conflito na Síria, dos conflitos que devem ter uma solução diplomática, e eu vi que todos eles, o presidente russo (Vladimir Putin) inclusive, falava na necessidade de soluções negociadas para esses conflitos. Falou-se muito também da inovação tecnológica. Todos acham que devem juntar esforços para inovação tecnológica."

    Ainda na China, Temer também falou sobre a importância de se manter o diálogo com o Congresso brasileiro. De acordo com o presidente, através de uma base sólida será possível aprovas as questões  aparentemente difíceis. O presidente também ressaltou que os indicadores já apontam a volta da confiança no crescimento do Brasil.

    "Quando você pega os indicadores de confiança, não são indicadores de produção, porque não podemos nos enganar com isso, mas os indicadores de confiança tanto no agronegócio como na indústria, nos seus mais variados setores, cresceu enormemente."

    O presidente ressaltou ainda na reunião do G20, as medidas adotadas para reequilibrar a economia do País, como por exemplo, o esforço do Banco Central para levar a inflação para o centro da meta e as discussões iniciadas pelo governo para realizar a reforma do sistema previdenciário. Temer ainda disse que o governo também articula um amplo programa de parcerias público-privadas, sob a forma de concessões. 


    Tags:
    negócios, reuniões, G20, Michel Temer, Japão, Espanha, Arábia Saudita, Itália, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik