14:20 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Dilma Rousseff em 29 de agosto de 2016

    Senado aprova impeachment e Dilma perde mandato

    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    Impeachment no Senado (104)
    639
    Nos siga no

    Nesta quarta-afeira (31), o Senado brasileiro afastou definitivamente Dilma Rousseff da presidência da República.

    No final do terceiro dia consecutivo de sessões extraordinárias dedicadas ao impeachment, 61 dos 81 senadores votaram a favor do impedimento da presidente afastada.

    20 dos senadores votaram contra. Não teve nenhuma abstenção.

    Agora, as funções de presidente serão assumidas pelo até agora presidente interino, Michel Temer, ex-vice de Dilma. A posse já está prevista para hoje e a cerimônia será "encurtada" para que o novo presidente possa viajar, logo em seguida, à China para participar da cúpula do G20.

    O pedido de impeachment de Dilma Rousseff foi aceito pelo então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, em 2 de dezembro de 2015. Em 17 de abril de 2016, o plenário da Câmara aprovou o relatório com 367 votos favoráveis e 137 contrários. A Comissão Especial do Senado aprovou o parecer do seu relator por 15 votos favoráveis contra cinco contrários. Em 12 de maio, o Senado aprovou a abertura definitiva do processo de impeachment, por 55 votos contra 22, sendo Dilma afastada temporariamente até a conclusão do processo.

    Antes, em 9 de maio, o presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (que substituía Cunha, investigado pela Comissão de Ética e pelo Supremo Tribunal Federal), tentou anular a votação do plenário. A sua decisão não surtiu efeito para o presidente do Senado, Renan Calheiros, que insistiu na continuação do processo; porém, naquela mesma noite, Maranhão anulou a sua própria anulação, cessando a polêmica.

    Dilma é acusada de participar de "pedaladas fiscais", financiar bancos públicos com recursos do Tesouro Nacional e de editar decretos sem consulta ao Congresso.

    Tema:
    Impeachment no Senado (104)

    Mais:

    Senadores avaliam como positivo o embate entre acusação e defesa sobre impeachment
    Senador é ameaçado de morte após revelar voto contrário ao impeachment
    Senadores contra impeachment acreditam em reverter votos, já os a favor a vitória é certa
    Redes sociais reagem com humor ao processo de impeachment de Dilma
    Para analista, faltou ao PT organização da classe trabalhadora para evitar o impeachment
    Tags:
    impeachment, Waldir Maranhão, Michel Temer, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar