02:25 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    201
    Nos siga no

    O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que preside o julgamento do impeachment de Dilma Rousseff, marcou para às 10h da manhã deste sábado (26) a retomada dos trabalhos no Senado, quando deverão ser ouvidas duas últimas testemunhas de defesa da presidente afastada.

    Os depoimentos das testemunhas do processo serão abertos pelo ex-ministro da Fazenda e do Planejamento do governo Dilma Rousseff, Nelson Barbosa.

    Seu depoimento deveria ter acontecido nesta sexta-feira (26), mas foi adiado por Lewandowski, atendendo a um pedido da defesa, em função do atraso em se iniciar a coleta dos depoimentos.

    Nelson Barbosa já afirmou que a edição dos decretos de crédito suplementar sem a autorização do Congresso Nacional não pode ser considerada como crime de responsabilidade. Ele lembrou que o governo parou de editar os decretos quando o Tribunal de Contas da União (TCU), decidiu que o procedimento era ilegal.

    Depois de Barbosa, porém na condição de informante, os senadores vão ouvir o professor de direto tributário da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Riccardo Lodi.

    Estes dois depoimentos irão encerrar a fase de oitava das testemunhas de acusação e de defesa no julgamento.

    Mais:

    Autor do pedido de impeachment de Collor analisa cenário do processo contra Dilma
    Impeachment: 'Votar ou não votar por Dilma não é uma questão pessoal dos senadores'
    Se Impeachment de Dilma for validado, Temer vai para encontro do G-20 na China
    Tags:
    impeachment, julgamento, defesa, testemunha, Nelson Barbosa, Ricardo Lodi Ribeiro, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar