15:41 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Falta de quórum adia pela 3ª vez votação na CCJ que pode interferir na cassação de Cunha.

    Justiça mantém bloqueio de bens de Eduardo Cunha e esposa

    Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    112511

    A Justiça Federal em Curitiba decidiu manter o bloqueio dos bens do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e de sua mulher, a jornalista Cláudia Cruz, informou Agência Brasil.

    A indisponibilidade dos ativos fora concedida em caráter liminar a pedido do Ministério Público Federal (MPF), dentro de uma ação de improbidade administrativa na qual o ex-presidente da Câmara é acusado de receber propina na compra de um campo de petróleo no Benin, pela Petrobras, em 2011.

    A liminar para o bloqueio foi concedida em 14 de junho e a defesa de Cunha entrou com recurso para suspender a medida. Os advogados questionaram a competência da 6ª Vara Federal de Curitiba para julgar o caso, alegando entre outras coisas a prerrogativa de foro privilegiado do deputado federal. Eles afirmaram também não haver provas que atestem o recebimento de propina e o enriquecimento ilícito, em prejuízo à Petrobras.

    Relator da ação de improbidade administrativa na Justiça Federal, que corre em paralelo ao inquérito penal contra o deputado que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), o desembargador Ricardo Teixeira do Valle Pereira negou todos os argumentos da defesa.

    O magistrado citou também “fortes indícios do recebimento de vantagens indevidas decorrentes de contratações realizadas no âmbito da Diretoria Internacional da Petrobras” como argumento para manter o bloqueio dos bens.

    Com a decisão, ficam indisponíveis “quaisquer bens ou valores titularizados pelos investigados sob guarda de instituições financeiras, tais como ações, participações em fundos de ações, letras hipotecárias ou quaisquer outros fundos de investimento”, bem como imóveis e até mesmo carros em nome de Eduardo Cunha e Cláudia Cruz.

    A medida se estende às empresas de Cunha, a C3 Produções Artísticas e Jornalística e a C3 Atividades de Internet, que chamou atenção por ter usado, no passado, o nome fantasia “Jesus.com”.

    Mais:

    Colunista diz que Cunha fez ameaça velada a Temer
    Deputado da Rede: 'Cunha tem de ser julgado já!'
    Chico Alencar – exclusivo: ‘Eduardo Cunha pode se transformar numa metralhadora giratória’
    Votação de cassação de Cunha será em setembro, depois do final do processo de impeachment
    Tags:
    bloqueio de bens, corrupção, Cláudia Cruz, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik