22:38 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente do Senado Federal, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) em plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa extraordinária que trata do julgamento do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Roussefff por suposto crime de responsabilidade.

    Senadores favoráveis ao impeachment querem impugnar testemunhas de Dilma

    Pedro França/Agência Senado
    Brasil
    URL curta
    218

    O líder do Democratas, senador Ronaldo Caiado (GO), informou hoje (25) que os aliados do governo do presidente interino Michel Temer vão tentar impugnar as seis testemunhas de defesa da presidenta afastada Dilma Rousseff.

    Segundo ele, a manobra fará uso do mesmo argumento utilizado para colocar em suspeição o procurador do Ministério Público da União (MPU) junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Julio Marcelo de Oliveira.

    Oliveira foi rebaixado da condição de testemunha a informante porque havia se manifestado anteriormente em ato a favor da rejeição das contas de Dilma Rousseff no Tribunal de Contas da União. O questionamento para a mudança de condição foi feito pela defesa de Dilma e aceito pelo presidente Ricardo Lewandowski. Para Caiado, outras testemunhas de defesa vão se enquadrar na mesma linha de argumentação.

    “Temos também o caso do economista [Luiz Gonzaga] Beluzzo, que encaminhou ao Supremo Tribunal Federal um manifesto pedindo o encerramento do processo contra a presidente Dilma. Então você vê que, na verdade, eles não apresentaram nenhuma testemunha. Eles simplesmente trouxeram aqui alguns militantes para tentar trazer uma versão que é muito mais partidária e ideológica do que fazer uma narrativa dos fatos” – disse Caiado em entrevista à Agência Brasil.

    O senador tentou impugnar o depoimento dessas testemunhas anteriormente, mas o presidente do julgamento, ministro Ricardo Lewandowski, pediu que a questão de ordem fosse formulada somente no momento em que as testemunhas forem começar a ser ouvidas. Por isso, ele deverá aguardar o fim da oitiva das testemunhas da acusação – depois de Julio Marcelo falará o auditor do TCU Antônio Carlos Costa D'Ávila.

    O advogado de Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, rebateu os argumentos que pedem a impugnação de suas testemunhas. Segundo ele, o que difere o caso do procurador Julio Marcelo de Oliveira dos demais é que a tese da defesa não é embasada apenas no depoimento dessas testemunhas.

    Tags:
    testemunha, impeachment, senador, Senado, Dilma Rousseff, Ronaldo Caiado, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik