20:36 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Onca Juma

    Morte de Juma, a onça abatida pelo Exército antes da Olimpíada, vira caso de Justiça

    Ivan Lima/Ministério dos Esportes
    Brasil
    URL curta
    731

    Juma, o filhote de onça abatido por soldados do Exército em Manaus, após ter se soltado das correntes que a prendiam, durante a cerimônia da passagem da Tocha Olímpica por Manaus, em junho, virou caso de Justiça.

    O Ministério Público Federal (MPF) do Amazonas entrou com ação civil pública na Justiça para que o Exército seja obrigado a pagar uma indenização de até R$ 10 milhões por danos morais. A ideia era expor Juma no evento por duas razões: para divulgar a riqueza ambiental do Amazonas e também pelo fato de que o animal é um dos símbolos do Comando de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), unidade de elite do Exército que ajuda na vigilância das fronteiras na região. 

    A onça se soltou das correntes quando era levada pelos tratadores à viatura de transporte. Apesar do disparo de dardos tranquilizantes — dos quatro apenas um atingiu o animal —, a onça avançou em direção dos militares. que não tiveram alternativa e dispararam dois tiros de pistola na cabeça. O incidente comoveu todo o Brasil e foi replicado pelas redes sociais no mundo.

    Relatório do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) revela que Juma foi utilizada no evento sem autorização para transporte e apresentação na cerimônia. Na ação, o Ministério Público Federal também observa que o Exército não tinha licença expedida pelo órgão ambiental para manter animais silvestres em cativeiro no Comando Militar da Amazônia. Por último, o MPF solicita à Justiça a proibição de exibição de animais silvestres em eventos públicos.

    O presidente da Organização Não-Governamental (ONG) Arca Brasil, Marco Ciampi, lembra que todo o triste desfecho dessa história tem um quê de ironia, isso porque Juma chegou à unidade do Exército pelo fato de sua mãe ter sido abatida vítima de caçadores. Ele lembra que a unidade presta um serviço inclusive a pesquisadores que estão atuando na preservação dessa espécie. 

    "Por algum motivo não foi feito um trabalho de devolução do animal ao seu habitat. Por ironia do destino, o mascote foi usado para ilustrar o orgulho deles (militares) na passagem da Tocha Olímpica." 

    Para Ciampi, o que está em discussão é o desejo de exibir animais silvestres como uma forma de dizer: ‘Eu detenho essa natureza.’ 

    "O que fica é uma grande lição ao brasileiro: que o poder público possa cuidar devidamente de sua grande riqueza que é a fauna silvestre, a mais rica biodiversidade do planeta e que está sob muitos aspectos carente e precisando de ajuda. O animal silvestre é tutelado pelo Estado e você não pode tê-lo como um pet. Aí a gente fala de hábitos, cultura."

    O presidente da ONG lembra que é muito comum o brasileiro criticar a Espanha pela tourada, não comer carne de cavalo e não ver algumas incoerências próprias. O que um estrangeiro pensaria, segundo ele, do grau de desenvolvimento de nossa sociedade ao ver passarinhos presos em gaiolas?

    "Estamos falando de uma mudança de mentalidade que o brasileiro esta tendo, de que o lugar dessa fauna é lá no habitat, que deve ser preservado."

    Mais:

    Sacrifício de onça após evento olímpico gera revolta
    Noruega paga US$1 bilhão ao Brasil para desacelerar desmatamento da Amazônia
    Tags:
    onça, biodiversidade, fauna brasileira, Olimpíadas, ONG, morte, Floresta Amazônica, Ministério Público Federal, Exército, Justiça Federal, Amazônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik