18:16 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Palácio Alvorada

    Dilma terá até 30 dias para desocupar Alvorada caso seja mesmo afastada da Presidência

    Brasil
    URL curta
    423
    Nos siga no

    Caso venha a ser afastada em definitivo da Presidência da República pelo Senado Federal, Dilma Rousseff terá prazo de até 30 dias, após receber a notificação do afastamento, para deixar a residência oficial do Palácio da Alvorada.

    Segundo o jornal Folha de São Paulo, os detalhes do afastamento de Dilma e da cerimônia de posse definitiva do hoje interino Presidente Michel Temer perante o Congresso Nacional estão sendo discutidos entre os Presidentes do Senado, Renan Calheiros, e do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, este condutor do processo de impeachment.

    A tendência é de que seja concedido à Dilma Rousseff o mesmo prazo dado ao deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para desocupar a residência oficial da Presidência da Câmara após renunciar ao cargo. O Presidente Michel Temer já adiantou que não se oporá ao prazo para não parecer deselegante, descortês e evitar desgastes desnecessários.

    A avaliação de técnicos do Senado e do Palácio do Planalto é de que Dilma Rousseff, uma vez afastada em definitivo da Presidência, poderá dispor de todos os benefícios concedidos aos Presidentes da República que deixam o cargo: um avião da Força Aérea Brasileira deverá conduzi-la de Brasília para Porto Alegre, a cidade em que fixará residência junto à sua família; sua mudança ocorrerá às expensas da União; e oito servidores serão designados para atendê-la, sendo quatro para cuidar de sua segurança pessoal, dois trabalhando como motoristas e dois como assessores especiais.

    Mais:

    Lewandowski divulga novas decisões sobre julgamento de Dilma
    Impeachment: Dilma está animada, diz Presidente do Senado sobre Julgamento
    Papa Francisco envia carta à Dilma Rousseff
    Tags:
    Palácio da Alvorada, presidência, impeachment, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar