14:29 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    420
    Nos siga no

    O coordenador de fiscalização eleitoral do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), juiz Marcello Rubioli, alertou o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que ele poderá ser criminalizado se destinar verbas públicas ao Comitê Organizador da Rio 2016 para a realização da Paralimpíada em ano eleitoral.

    Paes anunciou na quarta-feira (17) que pretende repassar R$ 150 milhões ao comitê, contrariando determinação da Justiça Eleitoral. O prefeito alegou que a possibilidade de repasse de recursos públicos à Rio 2016 está prevista no contrato assinado quando a cidade foi escolhida para sediar as competições.

    Rubioli, no entanto, advertiu nesta quinta-feira (18) que o prefeito poderá ter problemas políticos e pessoais se insistir em desrespeitar a legislação eleitoral vigente.

    “Instaurei um procedimento de fiscalização e proibi este ato do prefeito. Está proibido pela Justiça Eleitoral, a não ser que o TRE suspenda minha liminar. De cara, se ele descumprir a liminar, já está incidindo em desobediência eleitoral, o que é crime. E está cometendo um ato de improbidade e conduta vedada” – disse o coordenador de fiscalização.

    Na opinião do juiz, a falta de verbas para a Paralimpíada Rio 2016 é injustificável, pois a competição foi planejada com anos de antecedência.

    “A fortuna que já foi gasta neste evento não se justifica. Falo como cidadão. No mínimo, isso demonstra falta de profissionalismo no evento. É uma demagogia flagrante” – disse.

    A Justiça Federal proibiu que a União e o Município do Rio de Janeiro liberassem recursos públicos ao comitê organizador dos Jogos Paralímpicos. Conforme a liminar concedida na última sexta-feira (12), pela juíza Márcia Maria Nunes de Barros, a proibição deve ser mantida até que os gastos com a Olimpíada sejam mais transparentes e divulgados pelo Comitê Rio 2016.

    Tags:
    recursos, Jogos Paralímpicos, Prefeitura do Rio de Janeiro, Rio-2016, Eduardo Paes, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar