12:34 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Pessaos na praia de Ipanema no Rio de Janeiro, Brasil, agosto de 2016

    Governo brasileiro enterrou o 'sonho olímpico' do Rio

    © Sputnik / Maria Plotnikova
    Brasil
    URL curta
    271810

    Em 2009 quando se tornou público que a Olimpíada 2016 seria realizada no Brasil, o então presidente do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, fez muitas promessas que ficaram conhecidas como "sonho olímpico" do Rio de Janeiro.

    Entretanto, depois de sete anos sem promessas cumpridas, os próprios planos do governo brasileiro morreram, disse o jornal Político.

    "O boicote da cerimônia de abertura dos Jogos causado por Lula da Silva e pela presidente atual, Dilma Rousseff, se tornou símbolo da mudança do Brasil. A cerimônia não correspondia à realidade do país. E isso não tem a ver com fato de a presidente Rousseff ter de se apresentar perante o tribunal devido ao impeachment. Mas, pelas autoridades brasileiras não terem conseguido cumprir as promessas que foram feitas antes dos Jogos", diz a matéria.

    Entre estas promessas entraria o desenvolvimento de infraestrutura, sistema de transporte, bem como a otimização das despesas do governo. Todos estes objetivos não correspondem à realidade atual do país.

    A matéria lembra que na abertura da Olimpíada, o Brasil sublinhou o assunto de desenvolvimento ecológico sustentável. Ainda em 2013, o Comitê Organizador do Rio 2016 começou a pôr em prática o plano de preservação ecológica dos Jogos, chegando a ser declarado pelos organizadores do evento, que a Rio 2016 seria a Olimpíada "mais ecologicamente limpa de toda a história".

    Apesar das declarações feitas por oficiais sobre a importância dos Jogos no investimento em projetos que assegurem a limpeza da água do Rio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que alguns dos reservatórios de água não seguem às normas internacionais e foram avaliados como "muito ruins".

    "Recomenda-se aos atletas que não bebam água contaminada por vírus, bactérias ou que tenham tido contato com esgotos", diz as instruções da OMS para os atletas.

    Ao mesmo tempo, segundo o jornal, alguns atletas afirmaram que a Baía de Guanabara está extremamente poluída, havendo lixo na superfície de água.

    "Além disso, o Brasil não conseguiu diminuir a emissão de gás carbônico, contradizendo a ideologia dos 'Jogos mais ecologicamente limpos'. Os organizadores são acusados de permitir a realização das competições em zonas de proteção ambiental. Em particular, em uma delas ficam as quadras de tênis", destaca a matéria do Politico.

    Entretanto, a realização da Olimpíada trouxe pontos positivos para cidade-sede. Por exemplo, a cidade do Rio está mais segura e o metrô foi ampliado. Ao mesmo tempo, os Jogos revelaram problemas de caráter socioeconômico e cultural. O governo terá de resolvê-los depois da realização dos Jogos Olímpicos.

    Mais:

    Rússia ganha terceiro ouro do dia na Rio-2016
    Comitê Olímpico dos EUA confirmou assalto armado de 4 nadadores americanos no Rio
    Comitê Rio 2016 não confirma assalto a campeão olímpico Ryan Lochte
    Queniana vence maratona feminina do Rio 2016, que teve protestos contra Temer
    Michael Phelps deixa as piscinas com ouro e agradece ao Rio
    Ressaca no Rio destrói plataforma de largada da maratona aquática da Rio 2016
    Última esperança da Rússia no atletismo é afastada dos Jogos Olímpicos no Rio
    Tags:
    meio ambiente, ecologia, segurança, promessa, Jogos Olímpicos, Rio 2016, OMS, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik