11:19 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Após polêmica, Ricardo Barros afirma 'SUS é um direito garantido'

    Ministro da Saúde faz comentário machista e é criticado pela própria filha

    Wilson Dias/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1002

    O ministro interino da Saúde, Ricardo Barros, foi alvo de muitas críticas após uma infeliz declaração machista durante o lançamento de campanha para sensibilizar os homens no cuidado à saúde, realizada na quinta-feira (11), em Brasília.

    Na ocasião, o ministro interino avaliou que os homens procuram menos os serviços de saúde porque trabalham mais que as mulheres e porque são os provedores da maioria das famílias brasileiras.

    O comentário pegou mal e Ricardo Barros tentou relativizar a gafe alegando através de nota que foi mal interpretado e que se referiu ao número de homens no mercado de trabalho, chegando a citar dados do IBGE para provar que, dos brasileiros com 16 anos ou mais ocupados, 53,7 milhões são homens e 39,7 milhões são mulheres.

    A desculpa, no entanto, não colou nem para a própria filha, a deputada estadual Maria Victória Borghetti Barros (PP-PR), que criticou o ministro interino por meio de seu perfil nas redes sociais. Em vídeo publicado no Facebook, ela disse que precisou dar um “puxão de orelha” no pai.

    “Logo o senhor, com duas mulheres como nós em casa, a vice-governadora do estado do Paraná, Cida Borghetti, e eu, deputada estadual? Trabalhamos tanto quanto o senhor. Por mais que haja dados absolutos de que há maior número de homens no mercado formal de trabalho, o IBGE afirma que as mulheres trabalham em média cinco horas a mais na semana do que os homens. Portanto, uma jornada de trabalho mais longa” – disse ela.

    A frase de efeito negativo do ministro corrobora ainda mais para a já desgastada imagem do Governo interino de Michel Temer, criticado por ter substituído um gabinete de ministros rico em representatividade por uma equipe formada unicamente de homens brancos.

    Mais:

    Ministro interino da Saúde defende corte no SUS e revisão de direitos universais
    Tags:
    Ministro da Saúde, machismo, Ricardo Barros, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik