02:11 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Deputado Chico Alencar do PSOL/RJ
    Antonio Augusto/ Câmara dos Deputados

    Chico Alencar – exclusivo: ‘Eduardo Cunha pode se transformar numa metralhadora giratória’

    Brasil
    URL curta
    10900131

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, marcou para 12 de setembro o início da votação em Plenário do pedido de cassação de mandato do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

    A informação, revelada pela Assessoria de Imprensa da Presidência da Câmara, acrescenta que “o parecer do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar que recomenda a cassação de Cunha por quebra de decoro parlamentar foi lido em Plenário na segunda-feira, 8”, e que “são necessários 257 votos entre os 512 deputados em exercício para determinar a perda do mandato de um parlamentar”.

    A Câmara tem um total de 513 deputados, mas desde 5 de maio Eduardo Cunha está com o mandato suspenso por decisão do Supremo Tribunal Federal. Naquela mesma data, ele foi afastado da Presidência da Câmara pela mais alta Corte de Justiça do país.

    Antes de anunciar a data do início do julgamento de Eduardo Cunha, Rodrigo Maia apontou as razões para os sucessivos adiamentos. Segundo o parlamentar, na semana que começa em 15 de agosto terá início a campanha para as eleições municipais de 2 de outubro, e os deputados deverão viajar para suas bases. Para a semana seguinte, já a partir do dia 22, aguarda-se o início do julgamento do processo de impeachment da Presidente Dilma Rousseff pelo Senado Federal, e Maia considera que os dois eventos não devam ocorrer simultaneamente.

    Em 29 de agosto, o presidente interino Michel Temer (talvez já efetivado no cargo) viajará para a China, onde participará da reunião do G20 em Xangai, e Rodrigo Maia terá de assumir a Presidência da República. Como Temer só retornará ao Brasil no início de setembro, a votação do processo de cassação de mandato de Eduardo Cunha só terá início a partir do dia 12 do próximo mês.

    Sobre estes sucessivos adiamentos, Sputnik Brasil conversou com o Deputado Federal Chico Alencar (PSOL-RJ). Segundo o parlamentar, há razões poderosas para esta situação de protelamentos:

    “Há os que temem Eduardo Cunha, e me parece que o próprio Rodrigo Maia está entre estas pessoas. Certamente, Rodrigo Maia está entre os que se preocupam com o que Cunha, seu grande aliado em 2015, sabe e pode vir a falar caso tenha o mandato cassado. Com suas revelações, Cunha pode se transformar numa metralhadora giratória. Então, este é o temor do presidente interino Michel Temer, do PMDB e de mais de 200 deputados que dependeram de favores de Eduardo Cunha.”

    O parlamentar do PSOL do Rio de Janeiro conclui:

    “Então, é melhor protelar e deixar o julgamento para depois do impeachment da Presidente Dilma Rousseff, para não atrapalhar este ou aquele objetivo. Mas a condição de Eduardo Cunha é muito difícil: além das acusações de quebra de decoro parlamentar, ele responde a vários processos no Supremo Tribunal Federal. O nosso papel é ficar vigilantes e cobrar as verdadeiras razões pelas quais este julgamento vem sendo tão protelado.” 

    Mais:

    Parlamentares do PT e PDT recorrem à OEA para barrar o impeachment contra Dilma
    O Senado aprova o parecer pela continuidade do impeachment da presidenta Dilma Rousseff
    Senador Telmário Mota: 'Congresso colocou uma armadilha para Dilma'
    Senadora Gleisi Hoffmann: 'Julgamento de Dilma é uma farsa'
    Tags:
    opinião, política, Chico Alencar, Rodrigo Maia, Michel Temer, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik