02:06 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    212
    Nos siga no

    Após ser acusado de tentativa de estupro pela estudante de jornalismo Patrícia Lélis, a líder da minoria na Câmara, deputada Jandira Feghali (PC do B) e outras parlamentares da bancada feminina apresentaram nesta quarta-feira (10) uma representação contra o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) junto ao Conselho de Ética da Casa.

    Com 22 assinaturas, o documento pede a abertura de um processo contra o parlamentar junto ao Conselho de Ética para apurar as denúncias da estudante.

    Segundo Jandira Feghali, a situação é apartidária e as denúncias devem ser apuradas com rigor.

    "As denúncias são muitas e muito graves e queremos que a Câmara apure. Não estamos prejulgando ninguém, mas a omissão da Casa não é aceitável. Esperamos uma apuração isenta, que se apure tudo e, se houver comprovação, que se tome as providencias necessárias."

    A deputada Érika Kokay (PT-DF) ressaltou que apesar de defender toda as possibilidades de argumentos, conforme os relatos de Patrícia Lélis, o deputado Feliciano teria cometido pelo menos cinco crimes: agressão sexual, agressão física, ameaça, tentativa de corrupção e cárcere privado.

    "Estas denúncias têm que ser apuradas com o rigor que a democracia exige. Não podemos permitir que denúncias de tamanha gravidade não tenham uma resposta desta Casa."

    Patrícia Lélis pertence a juventude do PSC, partido de Feliciano. Em coletiva à imprensa na segunda-feira (8), a estudante contou que foi chamada por Feliciano para ir ao apartamento funcional dele, em Brasília, no dia 15 de junho, para participar de uma reunião. Porém, segundo a estudante de jornalismo, ao chegar no local descobriu que ele estava sozinho e que não havia reunião. Feliciano então, conforme Patrícia, o deputado tentou estuprá-la. O estupro só não teria ocorrido por causa da intervenção de uma vizinha, que teria ouvido som de briga e batido na porta do apartamento. 

    Ainda de acordo com a estudante, após o fato chegou a pedir ajuda a membros do PSC, entre eles o presidente do partido, Pastor Everaldo, mas não obteve resultado. Patrícia relata que recebeu ainda oferta de dinheiro de Everaldo, para não ir adiante com as denúncias. 

    A universitária ainda disse ter sido ameaçada pelo assessor do deputado Feliciano, Talma Bauer, que armado a obrigou, segundo ela, a entregar para ele senhas de redes sociais, as quais ele passou a gerenciar como se fosse ela. 

    Patrícia também contou que foi obrigada por Bauer a gravar dois vídeos nos quais falava bem do deputado e desmentia o relato que ela própria tinha feito ao jornalista Leandro Mazzini, em Brasília, acusando Feliciano da tentativa de estupro.

    Tags:
    assédio sexual, investigação, ética, Câmara dos Deputados, Conselho de Ética, PT, Patrícia Lélis, Marco Feliciano, Érika Kokay, Jandira Feghali, Brasil, Brasília
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar