15:16 24 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    807
    Nos siga no

    O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes disse nesta segunda-feira (8) que a proibição de manifestação política nas arenas das competições olímpicas no Rio de Janeiro é uma medida administrativa, mas garantiu que nenhuma restrição à liberdade de expressão será admitida, informou Agência Brasil.

    “A liberdade de expressão é garantida constitucionalmente, qualquer tipo de conteúdo, isso deve ser e vai ser assegurado. Isso é uma coisa. Outra coisa é essa vedação legal e administrativa, que não existe apenas por parte do Comitê Olímpico Internacional (COI). A Fifa também havia obtido uma lei específica para isso. O Supremo Tribunal Federal entendeu como constitucional a vedação de se ingressar nos locais com faixas, cartazes. Isso também existe no campeonato brasileiro”, declarou Alexandre de Moraes durante um evento da Polícia Federal, no Rio de Janeiro.

    O ministro disse, entretanto, que as pessoas têm o direito a vaiar e “ofender dentro dos limites políticos e ideológicos” quem quiserem, desde que não atrapalhem os jogos. 

    O COI esclareceu nesta segunda-feira que o procedimento padrão não é expulsar o torcedor que estiver estiver portando cartazes ou faixas com frases de cunho político, religioso ou comercial, contanto que ele se comprometa a não repetir o ato. A medida está prevista em normas estipuladas pelo Comitê Organizador da Rio 2016, que proíbe expressamente manifestações “de cunho político e religioso” e já foram aplicadas em jogos anteriores.

    Mais:

    Temer declara Jogos Rio 2016 abertos sob vaias no Maracanã
    Protesto contra Jogos Olímpicos termina com violência policial contra manifestantes
    Protesto "ForaTemer" ocupa orla de Copacabana durante passagem da Tocha
    Jogos, pré-sal, terrorismo, BRICS: O que pensam os manifestantes do ato "Fora Temer'
    Tags:
    Fora Temer, protestos, liberdade de expressão, governo brasileiro, Comité Olímpico Internacional (COI), Alexandre de Moraes, Michel Temer, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar