06:02 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Lula discursa durante manifestação contrária ao impeachment

    Advogados do ex-Presidente Lula rebatem acusações do Ministério Público Federal

    José Cruz/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    422021

    Os advogados do ex-Presidente Luíz Inácio Lula da Silva refutaram as acusações de integrantes do Ministério Público Federal. Em documento de 70 páginas entregue à Justiça esta semana, os Procuradores da Operação Lava Jato acusam o ex-presidente de ter "participado ativamente" do esquema de corrupção na Petrobras e de ser o principal beneficiário.

    De acordo com os Procuradores, "há elementos de prova de que Lula participou ativamente do esquema criminoso engendrado em desfavor da Petrobras, e também de que recebeu, direta e indiretamente, vantagens indevidas decorrentes dessa estrutura delituosa." Os Procuradores afirmam ainda “o ex-Presidente tinha ciência do estratagema criminoso e dele se beneficiou" e que "não é crível" que Lula "desconhecesse a existência dos ilícitos".

    Em resposta às acusações, a defesa de Lula afirmou que a peça do MPF "foi elaborada para servir de manchete para a imprensa", "porque a discussão no incidente processual em que foi apresentada era exclusivamente em torno da impossibilidade de o juiz Sergio Moro, de Curitiba, querer ser o juiz universal do Brasil".

    A seguir, a íntegra da nota dos advogados do ex-Presidente Lula:

    “A peça do Ministério Público Federal foi elaborada para servir de manchete para a imprensa. Não é uma peça técnica, porque a discussão no incidente processual em que foi apresentada era exclusivamente em torno da impossibilidade de o juiz Sergio Moro, de Curitiba, querer ser o juiz universal do Brasil. 

    As afirmações relativas ao ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva inseridas na petição têm por objetivo encobrir a falta de argumentos do MPF sobre a incompetência da Vara de Curitiba para conduzir o caso.

    Desde março, membros do MPF fazem afirmações difamatórias contra o ex-Presidente Lula. O assunto já motivou a abertura de uma sindicância no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), uma vez que a antecipação de juízo de valor na fase de investigação é incompatível com as regras de comportamento de membros do MP estabelecidas por aquele órgão e, sobretudo, com a regra de tratamento que decorre da garantia constitucional da presunção de inocência. 

    A verdade é que o Ministério Público Federal submeteu Lula e seus familiares a uma indevida devassa e verificou que o ex-Presidente não cometeu qualquer crime. Mas, ao invés de seus membros reconhecerem a inocência de Lula, querem condená-lo por meio de manchetes dos jornais e revistas. 

    A atuação da Lava Jato em relação a Lula é incompatível com os direitos fundamentais, conforme comunicado protocolado em 28/07/2016 perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU. 

    A divulgação dessa manifestação do MPF à imprensa não pode ser vista senão como ato de retaliação ao comunicado dirigido à ONU e mais um passo na perseguição política contra Lula.”

    Mais:

    Especialista: Lula está certo em se queixar de Sérgio Moro à ONU
    Lula vira réu na Lava Jato
    Lula recorre à ONU contra 'abusos de poder' de Sérgio Moro na Lava Jato
    Tags:
    advogados, Lula, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik