13:02 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    21 presos acusados de liderar os ataques que acontecem desde a semana passada no Rio Grande do Norte vão ser transferidos para presídios federais de outros estados.

    De acordo com a Secretaria de Justiça e Cidadania do estado (Sejuc), a medida se dá como forma de  prevenção e segurança.

    No início da semana, cinco presos que estavam no sistema prisional potiguar já tinham sido transferidos para a Penitenciária Federal de Mossoró, no oeste do Rio Grande do Norte.

    Os ataques criminosos em 38 cidades do Rio Grande do Norte tiveram início após o governo do estado instalar bloqueadores de celular na Penitenciária Estadual de Parnamirim. Desde então, 109 ocorrências, entre incêndios a veículos e disparos contra prédios públicos e proximidades, depredações e uso de artefatos explosivos foram registradas.

    De acordo com a Secretaria de Segurança, 32 veículos, entre ônibus e micro-ônibus foram incendiados no estado. Os veículos em Natal e na região metropolitana estão circulando com auxílio de escolta policial. 105 pessoas já foram detidas suspeitas de envolvimento nos ataques.

    Desde quarta-feira (3) o policiamento no estado foi reforçado com a presença de 1,2 militares do Exército, Marinha e da Força Aérea. Os militares estão realizando o patrulhamento ostensivo em Natal e sua região metropolitana, principalmente nas áreas turísticas e bancárias, além de aeroportos e principais rodovias e vias de acesso a cidade. 

    Inicialmente, as tropas vão permanecer no estado por 15 dias, mas o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, já disse que vai pedir prorrogação do prazo ao Governo Federal, até que seja finalizada a instalação dos bloqueadores de celular em todas as unidades prisionais do estado.


    Tags:
    presídios de segurança máxima, ataques, criminosos, transferência, prisões, Secretaria de Segurança do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil, Rio Grande do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar