15:13 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Capoeirista brasileiro na praia de Copacabana

    Brasil lidera ranking de mortes por bala na América Latina e Caribe

    © flickr.com/ U.S. Army
    Brasil
    URL curta
    412210

    O Brasil é o país com maior número de mortes por balas perdidas entre os países da América Latina e Caribe durante os anos de 2014 e 2015, segundo o relatório do Centro Regional das Nações Unidas para a Paz, Desarmamento e Desenvolvimento na América Latina e Caribe (Unlirec, sigla em inglês), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU).

    Os dados foram contabilizados a partir de casos divulgados pelos meios de comunicação em 27 países.

    O ranking internacional mostrou que, das 741 ocorrências envolvendo balas perdidas na América Latina e Caribe, 197 foram no Brasil, resultando em 98 mortos e 115 feridos. No segundo lugar, está o México com 116 casos (55 mortos e 77 feridos), seguido da Colômbia com 101 ocorrências (40 mortos e 74 feridos). No total, na América Latina e Caribe foram registrados 455 feridos e 371 mortos por bala perdida.

    Explicações

    De acordo com a entidade, essa situação é consequência da proliferação de armas de pequeno porte e de munições, combinadas com uma série de variáveis institucionais, sociais e econômicas, que tem dado lugar a níveis inaceitáveis de violência armada na região.

    Motivação

    No Brasil, 30% dos casos têm motivação não identificada. No restante, as três maiores causas são: crime organizado, com 24%, e violência de gangues e roubos, que ficaram empatados com 16% cada. Os casos de intervenção legal, ou seja, por parte do estado, ficaram em terceiro lugar, com 7%. 

    O relatório do Unlirec informa que quase metade de todos os casos de incidentes relacionados à chamada intervenção legal combinada na região ocorreram do Brasil. O total de intervenções relacionadas a algum crime, em todos os países da América Latina e no Caribe pesquisados, resultou em 83 vítimas. No Brasil, esse número foi 37, representando 44,5% do total.

    O documento destacou os incidentes de balas perdidas no processo de pacificação em favelas, geralmente caracterizadas por confrontos entre a polícia militar e o crime organizado, mantendo uma tendência observada anteriormente.

    Soluções

    De acordo com especialistas, entre as soluções, a mais consensual e genérica tem a ver com o trabalho específico das polícias para retirar armas ilegais de circulação. Esse ponto seria uma das soluções para todos os países e teria influência direta no problema.

    Em relação aos casos em decorrência de intervenção policial, analistas propõem discutir os protocolos de atuação da polícia e a escolha do armamento das corporações. Em particular, a troca do armamento mais adequada seria por carabinas, porque seus disparos atingem uma distância menor e a arma não dá o chamado tiro de rajada, que é um tiro que o policial perde um pouco do controle do alvo no qual está atirando, o que aumenta a possibilidade de vitimar civis.

    Mais:

    ONU: redução da maioridade penal pode agravar violência no Brasil
    Dilma: Aumento de violência entre palestinos e israelenses preocupa Brasil
    Violência contra a mulher no Brasil e no Mundo é tema de debate no Rio
    Tags:
    estatística, relatório, ranking, violência, balas, morte, México, Caribe, América Latina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik