13:55 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) revistam moradores do complexo de favelas do Alemão no Rio de Janeiro

    'Sombra de morte sobre o Rio': dobra o número de mortos pela polícia às vésperas dos Jogos

    © AP Photo/ Leo Correa
    Brasil
    URL curta
    221210

    Enquanto a cidade se prepara para sediar os Jogos Olímpicos, a polícia do Rio de Janeiro matou 49 pessoas em junho, mais do que o dobro do número registrado no mesmo mês de 2015, segundo denunciou o grupo de direitos humanos Anistia Internacional, em um comunicado à imprensa publicado nesta terça-feira (2).

    Com as Olimpíadas previstas para começar esta semana, a ONG também relatou um aumento alarmante no número de mortes causadas pela polícia quando comparado ao número registrado em abril, quando houve um total de 35 óbitos nessas condições.

    "O Brasil perdeu os Jogos Olímpicos antes mesmo que eles começassem", afirma o relatório da Anistia. "Uma sombra de morte se pôs sobre o Rio de Janeiro e parece que as autoridades só se preocupam com o quão bonito o Parque Olímpico está”, critica o documento.

    Desde 2009, quando o Rio ganhou o direito de sediar as Olimpíadas de 2016, a polícia já matou mais de 2.600 pessoas na cidade, de acordo com os dados da ONG.

    A maior parte das mortes cometidas por policiais ocorreu durante tiroteios com supostos criminosos, acrescentou a Anistia.

    O relatório atribui a violência policial no Rio à falta de protocolos claros para controlar o uso da força letal e a uma abordagem equivocada da segurança pública.

    Mais:

    Brasil coopera com FBI durante Jogos Olímpicos no Rio
    Público reage e 'assalto' a Gisele Bündchen é retirado da abertura da Rio 2016
    Polícia Militar do Rio anuncia aumento do efetivo para o patrulhamento durante os Jogos
    Tags:
    segurança pública, força letal, polícia, mortes, violência policial, Jogos Olímpicos, Olimpíadas, Rio 2016, Anistia Internacional, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik