13:25 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 22
    Nos siga no

    O ex-senador Eduardo Suplicy foi detido nesta segunda-feira (25) pela Polícia Militar durante um protesto contra a reintegração de posse de uma área na zona oeste da cidade de São Paulo. Levado para o 75º Distrito Policial, o ex-senador foi liberado por volta das 15h, após dar explicações sobre a situação.

    Suplicy contou à Agência Brasil que foi até o local para tentar mediar a ação e evitar a violência na desocupação, após ter recebido um telefonema de representantes da ocupação Terra Pelada solicitando a sua presença diante do cumprimento inadequado de reintegração de posse do local, que ignora um pedido de adiamento feito à prefeitura no dia anterior.

    “Então eu fui até lá. Quando cheguei, fiquei um pouco preocupado porque eu vi umas oito bombas de gás lacrimogêneo sendo estouradas ali” – disse o ex-senador.

    Suplicy disse que ficou preocupado quando os PMs se organizaram em fileiras, com escudos, e se prepararam para subir por uma das ruas e os moradores também se organizaram para reagir e evitar a entrada dos policiais. Foi então que, “temeroso que pudesse haver uma ação de violência ali e com consequências graves”, Suplicy decidiu deitar no chão junto com outros moradores para impedir que a polícia avançasse.

    “Me deitei, diversas mulheres se deitaram ao meu lado e daí o capitão e a oficial de Justiça ficaram preocupados e pediram se eu poderia voluntariamente sair. Eu falei 'olha, eu não vou sair e também não vou criar resistência se quiserem me levar'. E foi então que determinaram que a polícia deveria me levar e me carregaram” – revelou Suplicy.

    ​A justificativa para a detenção de Suplicy foi obstrução do caminho da polícia. “Mas o meu objetivo foi esse, eu expliquei à polícia, foi para prevenir que houvesse qualquer violência entre eles” – alegou o ex-senador.

    Tags:
    ocupação, preso, violência policial, Eduardo Suplicy, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar