15:27 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Militares preparados para os Jogos Rio 2016
    Dênio Simões/Agência Brasília

    Beltrame: Prisão de supostos terroristas preocupa, mas não modificará segurança para Jogos

    Brasil
    URL curta
    Rio 2016 (253)
    0 11
    Nos siga no

    O Secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame disse em reunião do Comitê Executivo de Segurança Integrada Regional, que a prisão dos dez brasileiros, suspeitos de planejar ataques terroristas no Brasil durante os Jogos Rio 2016 e ligados ao grupo extremista Daesh, não vai alterar o esquema de inteligência planejado.

    Beltrame se mostrou preocupado sim com as prisões, mas afirmou que não haverá modificações na operação já em curso, pois o Estado está preparado para garantir a segurança dos jogos, até pela experiência acumulada desde 2007, que o Rio tem em receber grandes eventos, como a Jornada Mundial da Juventude e a Copa do Mundo de 2014.

    "Não, absolutamente não. Na minha maneira muito especial de ver. Eu tenh uma maneira muito clara de trabalhar com a inteligência. Inteligência é uma coisa que nós não falamos. Inteligência nós fazemos o que tem que ser feito, e posteriormente, no momento oportuno, nós nos manifestamos sobre isso. As Polícias do Rio de Janeiro, só a Polícia Militar vai ter 10.500 homens na rua. Nós conseguimos isso com muito sacrifício, com interrupção de férias e de licenças, pessoal do administrativo vindo para as ruas."

    Segundo o Secretário, a partir de segunda-feira (25) terá início toda a operação de segurança para os Jogos, com os  10.500 homens da Polícia Militar diariamente nas ruas, além da ajuda do Governo Federal, com mais de 21 mil militares das Forças Armadas. Beltrame lembrou ainda, a atuação de 50 policiais de outros países, que estão trabalhando em parceria com a Polícia Federal e a ABIN – Agência Brasileira de Inteligência, e que, até o momento, não há indícios de nenhuma ação concreta terrorista no Brasil.

    José Mariano Beltrame ressaltou também, que há uma preocupação de se manter a segurança reforçada no Rio após os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, através da verba liberada pelo Governo Federal de quase de R$ 3 bilhões para a área de segurança, para garantir o pagamento do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis), o Regime Adicional de Serviço (RAS) e o pagamento de horas extras. O Secretário informou que já solicitou ao Governo Federal, que as Tropas das Forças Armadas continuem no Rio durante as eleições municipais.

    "Nós vamos tentar procurar fazer esse esforço olímpico  depois da Olimpíada, como? Pagando efetivamente o RAS, as horas extras para que possamos manter esses policiais o mais afrente possível após o evento. Já pedi a permanência das Forças Federais aqui para as eleições, seja de primeira ou segundo turno, porque sempre disse que tudo que vier a ajudar efetivamente o Rio de Janeiro nos serve. Questão de custeio, eu posso dizer que ela está resolvida. A questão salarial eu acredito que com essa poupança, em tese, que o Estado está fazendo pelo aporte federal, ele pode remanejar o que ele iria gastar com o servidor público pagando seu salário e jogar isso um pouco mais para frente, e dar esse fôlego à Segurança Pública até que o orçamento vire."

    Os dez suspeitos de integrar uma célula terrorista no Brasil, estão presos em uma penitenciária federal de segurança máxima, no Mato Grosso do Sul. Ao todo são 14 pessoas suspeitas, sendo 12 mandados de prisão, 10 já foram cumpridos, a Polícia Federal está rastreando as outras duas pessoas que faltam. Há ainda outros dois mandados de coerção coercitiva, onde a pessoa é levada a delegacia para prestar esclarecimentos. Todos os envolvidos possuem média de idade entre 20 e 30 anos, há um menor. Todos usavam nomes falsos nas redes sociais.

    Tema:
    Rio 2016 (253)
    Tags:
    Jogos Paralímpicos, Jogos Rio 2016, esquema de segurança, ataques, Jogos Olímpicos, terrorismo, segurança, Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar