21:31 17 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Preparação contra ataques químicos e nucleares para Rio 2016

    Rio 2016 tem agentes contra ataques nucleares

    Tânia Rêgo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Rio 2016 (253)
    2 0 0

    O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação anunciou que cerca de 300 agentes da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) vão atuar nos Jogos Rio 2016.

    Os servidores vão trabalhar na prevenção, identificação e resposta a situações de emergência ou potencial risco nuclear, químico, biológico ou radiológico nos locais de competição e treinamento dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

    As equipes da Cnen vão se concentrar no Centro Internacional de Transmissão (IBC, na sigla em inglês) e na Vila Olímpica, no Rio de Janeiro, além de estarem presentes também nas outras cinco cidades que vão receber partidas de futebol: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Manaus (AM), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

    Os agentes receberam treinamento de profissionais do Departamento de Energia dos Estados Unidos e vão usar equipamentos cedidos pela Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea), como instrumentos de detecção e escâneres de radiação.

    No Final de junho, o Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD), órgão ligado à Cnen, capacitou 3 mil integrantes da Força Nacional de Segurança Pública para o uso de equipamentos detectores de radiação. O treinamento incluiu, ainda, 500 profissionais da rede estadual de saúde do Rio de Janeiro e 120 policiais federais. Especialistas brasileiros ofereceram treinamento semelhante nos últimos megaeventos esportivos do país e nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, e na Copa do Mundo da África do Sul, em 2010.

    Tema:
    Rio 2016 (253)
    Tags:
    segurança, ataque nuclear, radiação, Jogos Olímpicos, Jogos Rio 2016, Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD), Vila Olímpica, Centro Internacional de Transmissão - IBC, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Cnen, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik