12:16 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Presidente interno do Brasil Michel Temer durante a reunião no Palácio do Planalto, Brasil, 13 de julho de 2016

    Glenn Greenwald denuncia 'fraude jornalística' da Folha a favor de Temer

    © AFP 2018 / EVARISTO SA
    Brasil
    URL curta
    Brasil entre Temer e Dilma (110)
    1162

    A Folha de S. Paulo está sendo acusada pelo jornalista Glenn Greenwald, do Intercept, de cometer “fraude jornalística” e favorecer o presidente interino Michel Temer com a manchete enganadora a respeito da última pesquisa do Datafolha, instituto usado pelo jornal, segundo a qual metade do país defenderia a permanência do peemedebista no Planalto.

    Segundo o levantamento divulgado no sábado (16), 50% dos brasileiros teriam dito que seria “melhor para o país” se Temer continuasse na presidência até o fim do mandato de Dilma, contra 32% que prefeririam a volta da petista e apenas 3% que seriam favoráveis a novas eleições, além de 4% que teriam dito não querer nem Temer nem Dilma. 

    Greenwald – o mesmo jornalista que iniciou a divulgação, no The Guardian, das informações sobre os programas de vigilância global dos EUA, reveladas em junho de 2013 a partir dos documentos secretos vazados por Edward Snowden – aponta em sua denúncia no Intercept que a Folha agiu “por desonestidade ou incompetência extrema” ao afirmar que metade da população brasileira deseja a permanência de Temer sem publicar as perguntas que o Datafolha fez aos entrevistados.

    ​De fato, o jornal distorceu gravemente os fatos, a poucas semanas da votação final do impeachment de Dilma no Senado, porque não informou a seus leitores que as únicas opções disponíveis de resposta aos entrevistados eram: (1) Dilma retornar à Presidência ou (2) Temer continuar como presidente até 2018. Não havia a opção de novas eleições, por exemplo, nem a que recusava tanto Dilma quanto Temer. Tais informações só foram publicadas ontem (19).

    “Portanto, fica evidente que os 50% de entrevistados não disseram que seria melhor para o país se Temer continuasse até o fim do mandato de Dilma em 2018: eles disseram apenas que essa seria a melhor opção se a única alternativa fosse o retorno de Dilma. Além disso, simplesmente não procede alegar que apenas 3% dos entrevistados querem novas eleições, já que essa pergunta não foi feita. O que aconteceu foi que 3% dos entrevistados fizeram um esforço extra para responder dessa forma frente a opção binária entre ‘Dilma retorna’ ou ‘Temer fica’”, escreve Greenwald.

    A distorção é ampliada pelo fato de as últimas pesquisas sobre o assunto, inclusive a do Datafolha feita em abril, terem perguntado explicitamente aos entrevistados a respeito de novas eleições, bem como pelo fato de o Supremo Tribunal Federal já ter decidido que a votação do impeachment de Temer deve prosseguir. 

    “Após ter decidido limitar as opções de resposta dessa forma, a Folha não pode enganar o país fingindo ter oferecido aos entrevistados todas as opções possíveis. Com a omissão desse fato, a manchete e o gráfico principal do artigo da Folha se tornam enganosos e completamente falsos”, diz o jornalista. 

    Diante das evidências, o próprio Datafolha admitiu o aspecto “enganoso” da afirmação de que apenas 3% dos brasileiros defenderiam novas eleições, “já que essa pergunta não foi feita aos entrevistados”, bem como a “imprecisão” na manchete sobre os 50% que apoiariam a continuidade de Temer na presidência, já que a notícia não foi acompanhada da devida informação sobre as opções de resposta oferecidas na pesquisa.

    Em seu artigo, Greenwald destacou ainda o ranking anual de liberdade de imprensa publicado em abril pela organização Repórteres Sem Fronteiras, que rebaixou o Brasil para a 104ª posição, “em parte devido à ‘propriedade dos meios de comunicação continuar concentrada nas mãos de famílias dominantes vinculadas à classe política’”.

    “Mais especificamente”, relata o jornalista, “o grupo observou que ‘de forma pouco velada, a mídia nacional dominante encorajou o povo a ajudar a derrubar a Presidente Dilma Rousseff’ e ‘os jornalistas que trabalham nesses grupos midiáticos estão evidentemente sujeitos à influência de interesses privados e partidários, e esses conflitos de interesse permanentes são obviamente prejudiciais à qualidade do jornalismo produzido’”.

    Tema:
    Brasil entre Temer e Dilma (110)

    Mais:

    Tribunal Internacional debate no Rio razões para o impeachment da presidente Dilma
    Dilma diz que confia em sua volta à Presidência e pede que deputados parem poder de Cunha
    Temer garante segurança para os Jogos, mas Rio tem noite com carros incendiados
    Suspense: Sérgio Machado pede mais 20 dias para apresentar provas contra Temer
    Governo interino de Michel Temer tem 13% de aprovação, segundo Ibope
    Tags:
    mídia golpista, golpe, impeachment, opinião, pesquisa, distorção, fraude jornalística, The Intercept, Datafolha, Folha de São Paulo, Dilma Rousseff, Michel Temer, Glenn Greenwald, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik